A distribuição irregular das chuvas no recôncavo baiano, este ano, gerou um impasse para o abastecimento da ilha de Itaparica. Apesar de ter chovido mais em 2015 do que em 2014, os altos índices pluviométricos se concentraram entre abril e junho e houve baixíssima pluviosidade entre setembro e novembro. Como a previsão é que esse quadro continue nos próximos três meses, a Embasa está distribuindo um volume 10% menor que o da mesma época do ano passado.

Essa é uma medida preventiva, que vai equilibrar as retiradas da barragem do Tapera e, assim, garantir que habitantes e veranistas contem com a regularidade do serviço durante o verão.

A barragem do Tapera tem capacidade de acumulação de 4,557 bilhões de litros, o que representa uma cota máxima de 15,60 metros. Por conta das retiradas diárias para abastecer os imóveis da ilha e da evaporação provocada pela forte insolação da alta estação, o manancial está cheio, com 90% de sua capacidade, mas vem baixando mais rápido do que na mesma época do ano passado.

De acordo com o superintendente de Operação Sul, Cláudio Fontes, a tendência é a diminuição progressiva do nível da barragem, caso não chova. “Por isso, por prudência, vamos aumentar a vazão de distribuição na alta estação, mas não no mesmo patamar de anos anteriores. É claro que isso vai gerar um impacto junto à população, pois, nesta época, aumenta o número de pessoas na ilha e, consequentemente, aumenta a demanda por água. Essa situação, provocada pelo fenômeno climático ‘El Niño’, está sendo enfrentada pela Embasa e por várias companhias de saneamento em outras cidades do Brasil e ela vai exigir das pessoas disciplina e controle no consumo da água”, explica Cláudio.

Distribuição

A Embasa pretende organizar a distribuição de água na ilha, durante o verão, para que os setores de sua rede distribuidora tenham regularidade diária no fornecimento. “Vamos operar visando esse objetivo, mas não podemos deixar de considerar que, tomando como base o que é distribuído e o que é faturado pela empresa na ilha, temos muitas ligações clandestinas e isso causa muito desequilíbrio no fornecimento, pois dimensionamos a oferta para as ligações que estão cadastradas e regulares (sem fraudes) em nosso sistema comercial”, destaca Cláudio.

Quem faz fraude na rede distribuidora para se abastecer sem pagar pelo serviço, além de reduzir o volume disponibilizado às pessoas que pagam, deixa as tubulações vulneráveis à contaminação da água. “Nossas equipes estão nas ruas combatendo as fraudes e a população pode contribuir denunciando”, lembra o engenheiro.

Próximo verão

Com um investimento de R$ 2,8 milhões, a Embasa está instalando uma tecnologia que aumenta a capacidade de acumulação de barragens do tipo do Tapera. São os módulos fusegate, dispositivos mecânicos instalados na soleira do vertedouro de barragens. Seu custo é menor do que o necessário para a ampliação ou mesmo construção de um novo barramento. A estimativa é que, até o primeiro semestre de 2016, a barragem do Tapera tenha um incremento de 30% na sua capacidade de acumulação máxima. “Com esse investimento, esperamos que, quando chegar a estação das chuvas, a barragem passe a acumular 5,924 bilhões de litros e, assim, tenhamos folga para aumentar a oferta de água durante o verão”, estima o superintendente.

Mais controle e vigilância

Com controle do consumo e vigilância em relação a vazamentos e desperdício em casa, será possível enfrentar esse verão e minimizar transtornos em relação a intermitências no abastecimento de água.

Seguem algumas dicas básicas que podem ajudar:

1 – Mantenha reservatórios limpos e tampados com capacidade para armazenar água suficiente para as necessidades diárias dos habitantes do imóvel.

2 – Faça uso racional da água tratada, priorizando o consumo para alimentação e higiene pessoal. Busque fontes alternativas para encher piscinas, irrigar áreas verdes, lavar carros e áreas externas. Não esqueça que você pode se organizar para reutilizar a água da lavagem de roupas para a limpeza de áreas externas ou mesmo do carro. E a água utilizada para a lavagem de alimentos pode muito bem ser utilizada para regar as plantas do jardim.

3 – Reveja seus hábitos e o das pessoas que moram com você e fique de olho no hidrômetro para saber se o consumo está dentro das possibilidades de reservação do imóvel.

4 – Fique de olho nas instalações hidráulicas para ver se não tem vazamentos, deixando água de boa qualidade se perder.

5 – Denuncie as fraudes no consumo de água em sua comunidade, pois elas promovem desperdício e risco à saúde pública, criando transtorno à coletividade. Ligue 0800 0555 195 ou 3631-1675 (contato do escritório da Embasa na ilha de Itaparica).

Fonte: Ascom/Embasa