Representantes de cooperativas agrícolas do Paraná e Rio Grande do Sul visitaram Barreiras, Serra do Ramalho, Barra e Xique-Xique, onde conheceram o potencial produtivo e as oportunidades de crescimento socioeconômico dos municípios. A ação foi realizada entre terça (3) e quinta (5), com o objetivo de implementar o Polo Agroindustrial do Médio São Francisco, projeto do Governo do Estado que visa atrair investimentos para a produção agrícola irrigada, integrada com a produção agroindustrial na região.
Acompanhado do vice-governador e secretário do Planejamento, João Leão, o grupo passou por áreas de produção de soja e algodão do município de Serra do Ramalho e participou de uma reunião com diretores da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) e da Associação Baiana de Algodão (Abapa), em Barreiras. As entidades apresentaram o cenário atual da produção agrícola da região oeste, principais culturas, infraestrutura local e capacidade de crescimento.
Incentivos 
João Leão manifestou o interesse do estado para que esses empresários invistam em algumas regiões da Bahia disponibilizando incentivos governamentais já existentes. “Nós vamos dar os incentivos fiscais em função da riqueza de cada território do estado. Nosso objetivo é ter a atividade agrícola associada à atividade industrial. Que se plante algodão e se transforme em tecido, por exemplo. Assim, vamos gerar mais emprego e receita. O objetivo é fazer com que se produza nos locais que ainda possuem grande potencial de desenvolvimento”, explicou ele.
O presidente da Aiba, Júlio Cézar Busato, acrescentou que “mesmo com resultados excelentes e progresso pujante, a região oeste está em constante busca por mais competitividade para o setor. Isso significa investimentos em logística, redução de carga tributária, garantia de preços mínimos e segurança jurídica, dentre outros pontos que contam com o apoio de setores públicos e privados para a sua realização”. 
O grupo esteve ainda em Barra e em Xique Xique para conhecer projetos de irrigação realizados pelo governo gederal, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). A intenção é apresentar aos investidores a capacidade produtiva das regiões, que já possuem safras agrícolas expressivas de cana-de-açúcar, grãos, frutas, algodão e hortaliças.
Avaliação 
Na noite de quinta (5), foi realizada no gabinete da Seplan, em Salvador, uma reunião de avaliação da viagem. João Leão acredita que a visita das cooperativas do sul do país foi válida, considerando que o estado da Bahia oferece possibilidades amplas para o crescimento agroindustrial. 
Para Silceu Dalberto, presidente da Cotrimaio, cooperativa do Rio Grande do Sul que possui 12 mil associados, a visita demonstrou que a Bahia ainda possui muitas oportunidades para a expansão da atividade agrícola. Segundo ele, no município gaúcho de Três de Maio, os produtores praticamente já abriram todas as lavouras. 
“Muitos filhos de produtores estão em busca de novos espaços para crescimento. Ficamos impressionados com a quantidade de áreas que ainda podem ser exploradas na Bahia. Vamos levar para os nossos associados o que vimos aqui e analisar de que forma podemos unir a nossa tecnologia e experiência com a mão-de-obra local para ocupar estes espaços”, disse Dalberto.  
O grupo de cooperativas foi formado por representantes da Agrária Cooperativa Agroindustrial de Guarapuava (PR), Castrolanda Cooperativa de Agroindustrial de Castro (PR), Cotrimaio Cooperativa Agropecuária Alto Uruguai de Três de Maio (RS), Grand Valle Ltda de Casa Nova (BA), Miolo Wine Group de Bento Gonçalves (RS) e Terracal (RJ). 

Fonte: Ascom/Secretaria do Planejamento (Seplan)