O momento sugere atenção ainda maior à história afrobrasileira. O tema amplo e rico em diversidade inspira vários eventos culturais na Bahia em comemoração ao Novembro Negro e ao Dia da Consciência Negra, 20 de novembro. Nesta quarta-feira (18), as homenagens aconteceram no Espaço Cultural Alagados, no bairro do Uruguai, em Salvador, onde foi apresentado o espetáculo ‘Grilo Griô’, com a participação dos alunos da Oficina de Teatro LeiturAção com Arte.

Segundo o coordenador do projeto, Raimundo Moura, a apresentação é uma forma de combater o racismo por meio da conscientização. “Vejo o preconceito como falta de conhecimento. O racismo é cometido pelas pessoas que não conhecem a verdadeira história dos negros na Bahia e no mundo”. Ele explica que as atividades lúdicas despertam mais a atenção das crianças e, neste mês, “a gente reforça as ações de conscientização [e] essa é a principal estratégia”.

Os contos foram narrados para crianças que estudam nos Colégios São Diego e Polivalente, ambos no bairro do Uruguai. Aos 18 anos, Jaqueline Silva foi uma das contadoras de história. De acordo com a jovem, que se apresentou pela quarta vez no local, os espetáculos são momentos de transmitir aos mais novos o que ela tem aprendido nas oficinas durante dois anos.

“No LeiturAção com Arte passei a perceber a [olhar] os negros de uma maneira diferente. Embora nunca tenha sido preconceituosa, o fato de passar a conhecer a história aprofundada, me fez admirá-los por diversos motivos, desde a luta pelo respeito até as excelentes produções artísticas”, afirma Jaqueline.

Peça ‘Tradição’

Além do espetáculo ‘Grilo Griô’, o Espaço Cultural Alagados recebeu a peça ‘Tradição’, desenvolvida por alunos com idade, entre 9 e 12 anos, da Escola Municipal Carmelitano Menino Jesus, localizada na Rua Régis Pacheco. Na apresentação, garotos e garotas abordaram o maracatu, o maculelê e o samba-de-roda.

“A ideia do projeto ‘Tradição’ é reunir as principais etnias que formam a identidade do brasileiro. Queremos com isso incentivar a consciência étnica entre as crianças e adolescentes”, afirma a professora de Artes, Cristiane Limoeiro.

Até o final de novembro, diversas atividades em homenagens ao Mês da Consciência Negra serão realizadas na Bahia. A lista dos eventos pode ser conferida no site da Secult.

Repórter: Leonardo Martins