O terceiro e último dia da 4ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (CEPM), na sexta-feira (13), no Gran Hotel Stella Maris, em Salvador, teve apresentação cultural, a realização da Plenária Final e Ato de Posse das novas conselheiras do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher (CDDM).
 
No início da manhã, para começar as atividades, o público foi recepcionado no salão principal, com a bela voz da cantora baiana Graça Onasilê. Logo após a apresentação, foi formada a mesa da Plenária Final para condução das atividades. Estiveram presentes a subsecretária de Políticas para as Mulheres da Bahia, Karla Ramos, a representante da Comissão Organizadora Estadual, Marta Rodrigues, e a secretária executiva do CDDM, Jucinalva Peruna.
 
Na Plenária Final, foram aprovadas as propostas que serão encaminhadas para a etapa nacional, bem como as 157 delegadas eleitas que representarão a Bahia na Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, em março em 2016. Já no final da manhã, uma nova mesa foi composta para o Ato de Posse das novas conselheiras do CDDM, com as presenças da secretária de Políticas para as Mulheres da Bahia, Olívia Santana, da vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher, Maria de Lourdes Schefler, e da diretora-geral do Conjunto Penal Feminino, Luiz Marina.  
 
As novas conselheiras representam as seguintes instituições da sociedade civil: Associação de Mulheres Pintadenses; Centro da Mulher Baiana, Coletivo de Mulheres de Feira de Santana; Liga Brasileira de Lésbicas e Bissexuais; União Brasileira de Mulheres; Movimento de Organização Comunitária (MOC); União Nacional dos Estudantes (UNE); Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM); Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura no Estado da Bahia (Fetag); Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB Bahia); Fórum Nacional de Mulheres Negras; e Associação Cultural Ambientalista dos Índios Tupinambá de Olivença.
 
Segundo Olívia Santana, o Conselho Estadual é um órgão paritário, em que o Poder Público ouve a sociedade civil, e os dois constroem juntos os novos caminhos. Na opinião dela, o maior desafio do CDDM é garantir que todos os municípios baianos construam os seus próprios conselhos e realizem o trabalho de convencimento com prefeitas e prefeitos sobre a agenda da democracia, que não pode ser realizada sem priorizar os direitos das mulheres. A 4ª CEPM, com tema ‘Mais direitos, participação e poder para as mulheres’ foi uma realização da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) e do CDDM.

Fonte: Ascom/Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA)