O projeto Grupo de Apoio e Conselhos (GAC) criado por estudantes do Colégio Estadual Professor Hermes Miranda do Val, localizado no município de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), conquistou o terceiro lugar entre os 400 participantes de todo o Brasil, em concurso promovido pelo Movimento Global Criativos da Escola. O grupo é composto por nove jovens mediadores, que encontraram no diálogo aberto com os demais colegas o caminho para mudar a realidade de toda a comunidade escolar, no enfrentamento de questões como bullying, preconceito e baixa autoestima.

Às sextas-feiras, o grupo, que integra estudantes de turmas e idades distintas, se encontra durante 20 minutos para expor situações, desabafar e buscar soluções para problemas vividos no ambiente escolar. Segundo a vice-diretora Simone Bocaiúva, eles se uniram pelas características individuais de cada um. “Se autoajudam e, juntos, encontram formas de ajudar os demais estudantes”.

Ela também afirmou que cada integrante, com sua personalidade, tem um papel fundamental. “Uns possuem habilidade de ouvir e dar conselhos. Outros, mais críticos, observadores ou sensíveis. Apesar das diferenças que cada um tem, todos juntos podem fazer a diferença e, desta forma, conseguem transformar o espaço escolar em um ambiente mais humano e acolhedor”.

O grupo tem como diretriz acolher, ouvir, apoiar e conscientizar para provocar mudança. Iniciado em maio deste ano, já colhe os resultados do empenho dos agentes transformadores, como explica a estudante Bianca Andrade Santos, 18 anos, 3º ano. “Já fui muito rebelde e participar do grupo me transformou em uma pessoa melhor porque pude aprender a ser mais tolerante e a me colocar no lugar do outro. Hoje, ajudo outros colegas a superar algum problema que esteja vivenciando dentro ou fora da escola”.

Para o estudante Anderson Santos Costa, 19, 3º ano, um dos idealizadores do grupo, o projeto representa a mudança na sua vida. Ele diz que sempre foi um estudante problemático, mas hoje é considerado exemplo na escola. “Certa vez, uma professora chamou a minha atenção e disse que eu podia mudar a minha história. Ela me deu a missão de unir duas turmas do 2º ano, que não se entendiam, numa gincana do colégio. Eu consegui fazer com que todos se unissem. Foi aí, que percebi que podia ser uma pessoa melhor e ajudar outras pessoas. Por isso, resolvi montar o grupo com o apoio da direção”.

Quem também faz parte do grupo é a pequena Raíssa Maria Santos, 11, 6º ano. “Sempre estou disposta a ajudar meus colegas no que for preciso para manter a união. Para mim, isso aqui é uma família. Daqui pra frente vou olhar para trás e vou dizer: foi isso que me tornou uma cidadã melhor”.

A professora de Língua Portuguesa, o Agrécia Silva, enfatiza que trabalho dos alunos está trazendo muitos resultados positivos vivenciados diariamente. Segundo ela, os estudantes vêm melhorando a postura, o comprometimento com os estudos, as notas, disciplina e amadurecendo. Tudo isso, obtido por meio do diálogo mediado entre eles, que se identificam e se ajudam.

Criativos da Escola

O movimento global, presente em mais de 30 países, premia projetos protagonizados por crianças e jovens que ajudam a mudar a realidade em que convivem. No Brasil, é representado pelo Instituto Alana, responsável em promover o ‘Desafio Criativos da Escola’, no qual o Grupo de Apoio e Conselhos (GAC) foi selecionado como o terceiro melhor projeto entre os 400 inscritos de todo o Brasil.

Os representantes dos cinco melhores projetos participarão entre os dias 8 e 11 de dezembro próximo da cerimônia de premiação, em São Paulo, onde compartilharão suas experiências e ideias inovadoras. “É muito importante saber que algo que nosso grupo faz está sendo reconhecido não só no colégio, mas no Brasil inteiro”, afirma a estudante Michele Rocha, 16 anos, 2° ano.

Fonte: Ascom/Secretaderia da Educação do Estado