A programação do Novembro Negro no Colégio Estadual Dona Mora Guimarães, localizado no bairro Fazenda Grande I, em Salvador, começou, nesta segunda-feira (16), com as participações de dois convidados especiais, a yalorixá Yara de Oxum e o pastor evangélico Carlos Augusto dos Santos. Durante palestra e integração com os estudantes, as duas lideranças religiosas destacaram aspectos culturais e tradicionais de cada religião, cujo foco principal foi o respeito às diferenças e o combate à intolerância religiosa.
Para Jefferson Costa Alves, 17 anos, que cursa o 3° ano, foi muito estimulante o diálogo entre as duas religiões. “Devemos respeitar as diferenças, os limites e as religiões de cada um. É necessário que as pessoas conheçam um pouco mais antes de criticar, a exemplo do Candomblé que é a minha religião”, afirmou. A estudante Samara dos Santos, 17, do 3º ano, enfatizou que a palestra serviu para desconstruir o preconceito sobre o Candomblé. “É uma religião rica culturalmente. É lindo ver essa relação com a natureza e mostrar que o povo de Axé é um povo de luz”. 
Para Mateus Massena, 17, também do 3° ano, a proposta do colégio em promover essa discussão sobre religião serviu para ampliar seus conhecimentos e dos demais colegas. “É muito importante ressaltar a questão do negro na sociedade, conhecer a origem, valorizar a cultura, tradições e a religião”, disse Mateus.
Trabalho social 
A yalorixá Yara de Oxum destacou as características da religião de matriz africana, falou sobre costumes, rituais, a representatividade dos orixás e sobre aspectos históricos. “Estar aqui na escola para mim é um trabalho social, pois estou trazendo para os estudantes informações sobre a minha religião, para que eles tenham uma visão ampla e ajudem a combater a intolerância religiosa”. 
Já pastor da igreja Assembleia de Deus Carlos Augusto dos Santos destacou que, “com a abordagem dessa temática, estamos contribuindo para o desenvolvimento da sociedade. Por isso, me coloquei à disposição para tirar dúvidas com os estudantes e informá-los um pouco sobre o Evangelho e o conceito de religião”.
Atividades
Segundo a diretora Antônia Barbosa, a iniciativa teve o objetivo de conscientizar sobre a importância do negro para a cultura baiana e brasileira, tendo como foco a discussão sobre as duas visões religiosas. “Esses convidados abordaram de forma dinâmica a discriminação religiosa e que contribuiu bastante para que os alunos tenham um olhar diferenciado para as religiões”. 
Ao longo da semana, o colégio também vai promover apresentações culturais como capoeira, samba de roda, peça teatral, canto coral e balé da comunidade. Além disso, haverá exposição de obras de arte, de trabalhos sobre personalidades negras, mitologia e linguagem africana.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia