Professores, familiares de pessoas com deficiência, estudantes universitários e comunidade participam, até sexta-feira (13), da Semana da Pessoa com Deficiência, promovida pelo Centro Estadual de Educação Especial de Caetité Professora Lelita Neves Cotrim da Silva (Ceeec). A atividade acontece no campus VI da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em Caetité, por meio da parceria entre o Núcleo Regional da Educação de Caetité (RNE 13) e a universidade.

Com o tema ‘O Processo de Escolarização da Pessoa com Deficiência: Reflexões Sobre o Fazer Pedagógico’, o evento tem por finalidade promover reflexões sobre o respeito e a valorização da pessoa com deficiência. A atividade é aberta ao público e envolve minicursos sobre práticas pedagógicas para estudantes com deficiência intelectual e do transtorno do espectro autista, transtornos funcionais da aprendizagem – processo de escolarização e de Libras intermediário.

A programação contempla ainda palestra com sobre ‘O processo da Escolarização da Pessoa com Deficiência: o Fazer Pedagógico’, ministrada pela professora de Atendimento Educacional Especializado (AEE) e mestre em Educação e Contemporaneidade, Sidenise Estrelado.

Inclusão efetiva

De acordo com a vice-diretora do centro, Leila Garcia Avelar, o projeto é importante porque abre debates relacionados à prática educativa na busca pela consolidação das bases para a construção de uma escola inclusiva. “O evento vem alertar a população quanto à necessidade de políticas e de organização social para promover a inclusão efetiva”.

Segundo a professora de AEE, Daniela Nascimento Ferreira, a ação contribui para maior sensibilização das comunidades escolares, famílias e comunidade em geral para uma melhor convivência com pessoas com deficiência. “É importante que a sociedade aceite e valorize, cada vez mais, as pessoas com deficiência, respeitando a limitação de cada um”.

Centro estadual

Atualmente o Ceeec atende 105 pessoas com deficiências – surdez, transtorno global do desenvolvimento, deficiência múltipla, intelectual e visual. Os beneficiados recebem atendimento especializado em turnos diferentes ao ensino regular.
Entre as atividades de acompanhamento destacam-se sessões de braile, Libras, apoio pedagógico, informática adaptada, atividades lúdicas, núcleo de convivência com trabalhos envolvendo arte e música, além da assistência de acordo com as especificidades de cada beneficiado, seja criança ou adulto.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia