As exportações baianas cresceram 68%, no mês de outubro deste ano, em relação às vendas no mercado internacional em igual período de 2014. O índice foi influenciado pelos embarques de soja, com produção estimada em 4,5 milhões de toneladas, registrando recorde em 2015.

O aumento expressivo no volume exportado, entretanto, não gerou crescimento equivalente nas receitas cambiais, de acordo com informações da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento do Estado (Seplan).

Segundo a SEI, a redução de 0,9% no mês reflete a queda nos preços internacionais de diversos produtos, especialmente commodities agrícolas e minerais, pressionando para baixo os valores dos embarques.

Principal mercado

A China continua a ser o principal mercado para os produtos baianos, no exterior, mesmo havendo a desaceleração de sua economia, o que vem diminuindo a procura por matéria-prima brasileira e de todo o mundo, com reflexo na queda dos preços globais das commodities.

Ainda conforme os dados divulgados pela SEI, as vendas para o mercado chinês expandiram 29% em outubro. Todos os outros principais parceiros da Bahia, como os Estados Unidos, a União Europeia e o Mercosul, registraram quedas no ano.

“Mesmo com a desvalorização acentuada de preços, a expectativa é que, a continuar o câmbio nos patamares atuais, os exportadores, principalmente os de commodities agrícolas, garantam rentabilidade em suas operações, assegurando mais um ciclo de margens positivas ¬e um estímulo importante para alavancar a produção no estado”, ressaltou o coordenador de Comércio Exterior da SEI, Arthur Cruz.

Fonte: Ascom/Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI)