Depois de uma noite de chuvas, os moradores da rua Rio do Meio, no bairro de Itacaranha, receberam uma boa notícia na manhã desta terça-feira (1º). O governador Rui Costa, acompanhado de autoridades, esteve no bairro para autorizar o início imediato de obras de contenção de encostas que vão beneficiar 92 famílias da região. Na construção será investido cerca de R$ 1 milhão em três pontos diferentes da rua, para garantir que as chuvas que caem sobre a capital não ameacem a vida das pessoas que vivem no bairro. As obras são de responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur).

Antes de assinar a autorização de início das obras, o governador visitou a comunidade e conversou com os moradores. Após pedir que todos façam a sua parte pela melhoria social, Rui falou sobre futuras intervenções na área. "Viemos aqui assinar a ordem de serviço para a construção das encostas, mas caminhando por aqui, percebemos que há uma obra muito mais complexa e mais cara, que é sobre o canal que passa por aqui, o Mané-dendê, que já estamos com um projeto em andamento. Mas, para reconstruir o canal, precisaremos retirar as pessoas que moram ali para levá-las a um local mais seguro. É uma obra de microdrenagem com o custo muito alto e vamos ‘correr atrás’ dessa verba para essa estruturação que também é prioritária", explicou o governador, que anunciou ainda a melhoria do campo de futebol que fica às margens de uma das encostas que será recuperada.

Na caminhada pelo bairro, Rui Costa entrou na casa de uma das moradoras mais antigas de Itacaranha, a aposentada Lídia dos Santos Ferreira e recebeu flores da roseira do quintal da casa. Ele pediu que o imóvel onde ela mora seja recuperado, também como parte das intervenções no bairro. Abraçada com o governador, ela não lembra quantos anos tem, mas fala com detalhes dos invernos e épocas de chuva que viveu no bairro.

Aos fundos da casa onde ela mora com o filho está uma das encostas que vai receber as intervenções do Governo do Estado. "Desde quando cheguei aqui, quando chove, as portas do fundo e da frente de minha casa ficam abertas, pra deixar a água, que desce como um rio, passar direto para rua, mas também não durmo à noite, porque com qualquer barulho, a gente sai correndo de casa, com medo do barro invadir e cobrir tudo", falou a aposentada. Agora, com a obra, ela comemora a mudança na vida dela e da família, que moram em outras casas, também sob a encosta. "Agora estamos no céu. Não consigo nem imaginar em como vai ficar isso aqui depois que cobrirem tudo, e não com plástico, mas de uma vez só e para sempre", falou emocionada.

Programa de contenção de encostas

O investimento do bairro de Itacaranha integra o Programa de Prevenção de Desastres Naturais, que prevê construção de estruturas de contenção de encostas em 98 localidades de Salvador até o final de 2016, com investimento na ordem de R$ 156 milhões. Esses locais são regiões identificadas no Plano Diretor de Encostas da capital como zonas de risco alto ou muito alto. Os recursos são provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, do Ministério das Cidades.

O projeto dividiu as obras em quatro lotes. A intervenção em Itacaranha faz parte do segundo pacote, que inclui dez encostas. Somente para a terceira etapa do projeto, que também está em andamento, estão previstas 25 encostas. As obras já beneficiaram famílias carentes de diferentes localidades da capital, como os bairros de Cajazeiras (ruas Marisol e 11 de Julho e Loteamento João de Barro), Águas Claras (Loteamento Nogueira), Pau da Lima (Rua São Rafael), Castelo Branco/Pau da Lima (Rua 12 de Julho e 1ª Travessa Agda Ferreira) Nova Brasília/Pau da Lima (1ª Travessa Cosme e Damião), Retiro/São Caetano (Rua São Miguel).

Recentemente, o governador autorizou mais obras de contenção nos bairros Alto da Terezinha, Lobato, Rio Sena, Marechal Rondon, Largo do Tanque e São Caetano. Na última entrega desse tipo de estrutura, na região de Fazenda Grande III e Boca da Mata, 128 famílias foram beneficiadas não só com as encostas, mas também com obras de urbanização.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Carlos Martins, as obras levam mais do que paredões cobrindo os barrancos, levam mais desenvolvimento e qualidade de vida para as comunidades. "Nos locais onde temos levado as contenções levamos também intervenções complementares, como requalificação de vias públicas e passeios, drenagem. Aqui em Itacaranha são 215 metros de encostas, como parte do maior projeto desse tipo que já foi executado na capital", explicou o secretário.