Medo e angústia. Essa era a realidade de centenas de moradores que viviam em encostas sem contenção na capital baiana. Em um ano marcado por grandes tragédias, com as chuvas de abril, quando 21 pessoas morreram, a realidade começou a mudar. Desde o final de março, o Governo do Estado iniciou uma série de obras em diferentes pontos de Salvador. Até o momento, 12 encostas já foram entregues e outras 21 estão em fase de execução. Além disso, 78 contenções estão em fase de projeto ou licitação.

As ações do Governo, através da Secretária Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), são norteadas pelo Plano Diretor de Encostas em Salvador, datado de 2012, que previa inicialmente a construção de 98 contenções, com investimento de R$ 156 milhões. Após as chuvas que deixaram mais de 1.500 famílias desabrigadas, o Ministério da Integração fez um novo repasse de verbas, desta vez de mais R$ 80 milhões, autorizando a contenção de mais 17 encostas – oito em Salvador e três em Candeias – totalizando 109 sob responsabilidade do Governo do Estado, e mais seis a serem executadas pela Prefeitura.

Desde março, 12 encostas já foram entregues pelo Governo, contemplando os bairros de Palestina (Rua Frei Benjamim), São Cristóvão (Rua 8 de Dezembro), Cajazeiras (Rua Marisol e Loteamento João de Barro), Águas Claras (Loteamento Nogueira), Pau da Lima (Rua São Rafael), Castelo Branco/Pau da Lima (Rua 12 de Julho) Nova Brasília/Pau da Lima (1ª Travessa Cosme e Damião), Retiro/São Caetano (Rua São Miguel), Rua 11 de Julho, em Cajazeiras e 1ª Travessa Agda Ferreira, no Pau da Lima.

No total, 47 bairros de Salvador e outros três de Candeias serão beneficiados com as obras, em um total de recursos de 216 milhões. O investimento é oriundo do Plano de Aceleração de Crescimento (PAC), do Governo Federal, dentro do Plano de Prevenção de Desastres Naturais. O trabalho de contenção é feito com a utilização da técnica de solo grampeado. E em algumas encostas ainda há o uso de tapumes de grama para urbanização do local.