Até o final de 2015, o Planserv – Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Estaduais vai injetar R$ 1,2 bilhão na economia do setor de saúde suplementar do Estado. O anúncio é da nova coordenadora-geral do Planserv, Cristina Cardoso, que também lança as bases para o investimento e as novas diretrizes para a assistência este ano.

O Planserv é o maior plano de saúde da Bahia, em comparativo com dados recentes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Com 485,5 mil beneficiários, representa um quarto do mercado de planos de saúde do estado, o maior em número de beneficiários na Bahia à frente do Bradesco Saúde, com 302 mil usuários.

O plano vai investir, este ano, em clínicas, laboratórios e hospitais cerca de R$ 100 milhões/mês. Para assegurar a saúde do servidor do Estado entre ativos, aposentados e seus dependentes e agregados, a assistência prevê o dispêndio de cerca de R$ 400 milhões no ano só na rede credenciada de hospitais. Em exames e consultas eletivas, deverá ser mantido o investimento histórico, que chega a R$ 9,4 milhões. O investimento no setor de materiais e medicamentos é de R$ 320 milhões/ano.

Segundo Cristina, a preservação do equilíbrio financeiro do Planserv, o aprimoramento da gestão da rede e a sua interiorização são algumas das diretrizes determinadas pelo Governo do Estado para este ano. “O investimento demonstra a importância do Planserv para a saúde suplementar da Bahia, consolidando o plano como um dos maiores responsáveis pela movimentação econômica e financeira do mercado”.

Para ela, a representatividade do Planserv no mercado está consolidada e tende a avançar ainda mais com a ampliação dos mecanismos de avaliação dos serviços prestados, sempre buscando a satisfação dos beneficiários. A rede atual possui 1.600 prestadores de serviços, oferecendo cobertura para consultas, pronto atendimento, emergências, exames em geral, internações clínicas e cirúrgicas, assistência domiciliar, tratamentos seriados e suporte medicamentoso.

Equilíbrio

Apesar do investimento previsto, a coordenadora-geral determinou, como diretriz para sua gestão, um rigoroso controle sobre os gastos e a manutenção do equilíbrio financeiro da assistência. “Reconhecemos a importância para o mercado de saúde suplementar, mas, quando se trata de recursos públicos, não podemos perder de vista o bom gasto, aquele qualificado, bem aplicado”.

Ela enfatiza ainda que a determinação é avançar na qualificação do serviço a partir das conquistas alcançadas. Uma das exigências estabelecidas pela gestão do plano é a observância aos limites orçamentários estabelecidos na Lei Orçamentária Anual (LOA).

Atendimento

Anualmente, o Planserv realiza mais de 1,6 milhão de consultas eletivas (133 mil/mês), 530 mil atendimentos em serviços de emergência (42,2 mil/mês), 12,7 milhões de exames de diagnóstico em geral e de imagem e 57 mil internações hospitalares.

Mensalmente, o Estado investe na saúde do servidor cerca de R$ 2.400 per capta. Dos mais de 485 mil beneficiários do plano, mais de 101mil estão na faixa etária acima de 59 anos. O Planserv possui também cobertura para netos, que já totalizam 61 mil beneficiários do plano.