No Candeal, em Salvador, vivem cerca de 1.500 famílias. Juntas, elas utilizam, em média, seis mil litros de óleo por mês. Agora, 30 moradoras do bairro já sabem o que fazer com o que sobra do produto. Depois de utilizado, o óleo é guardado em um recipiente de plástico e o destino é a usina de reciclagem RecicleÓleo. O projeto começou há três meses.

“O objetivo principal desse projeto é transformar a vida dessas mulheres, via profissionalização e incremento de renda. Através desse trabalho, elas terão a possibilidade de fazer a autogestão por meio desse empreendimento associativo proveniente do reaproveitamento do óleo”, disse a coordenadora-geral do projeto, Milena Veloso.

Milena Aparecida Lopes, 31 anos, moradora do bairro e integrante do projeto, já tomou consciência de como descartar o óleo corretamente. “Antes, a gente não sabia. Tudo ia para o ralo da pia. Hoje, além de separar o produto, participamos das aulas e vamos fazer disso uma profissão”.

As moradoras promovem a coleta e o refino do óleo que pode servir para a produção de biodiesel e sabão. Com a ajuda do programa Vida Melhor, do governo estadual, elas ganharam o maquinário necessário para o trabalho e até o final do mês devem começar a produzir sabão em barra para ser comercializado.

“Através de um edital do Vida Melhor para apoiar projetos de reciclagem, a RecicleÓleo foi selecionada. O objetivo do programa é incluir socioprodutivamente pessoas em vulnerabilidade social, como estamos fazendo aqui. A partir de agora, essas mulheres serão encaminhadas para a produção de um projeto associativo, para que possam refinar esse óleo, fazer sabão e gerar renda para elas”, afirmou a coordenadora de fomento à economia solidária da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Lívia Borges.

De acordo com o responsável técnico do projeto, Luciano Hocevar, com as máquinas, é possível refinar 100 litros de óleo por hora. “Essas máquinas têm uma capacidade de refino de óleo muito maior do que temos arrecadado do produto. Estamos ansiosos, mesmo porque para cada litro de óleo refinado é possível fazer um quilo de sabão, além de poder vender o óleo refinado para usinas de biodiesel”.

Para a integrante Norma Regina de Souza, 30 anos, o projeto favorece não apenas as participantes, mas todo o bairro. “Estamos ajudando o meio ambiente, e com essa capacitação vamos gerar renda principalmente para nós, mulheres, que estamos há muito tempo fora do mercado de trabalho”.