Com o propósito de promover a articulação e a integração de entidades e órgãos atuantes na área da Economia Criativa, o Governo do Estado da Bahia instituiu a criação do Grupo de Trabalho Bahia Criativa, que terá como finalidade a elaboração do Plano de Desenvolvimento da Economia Criativa para o Estado da Bahia.

O grupo é composto por 12 representantes de entidades públicas e privadas e terá como coordenadora, a diretora de Economia Criativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult), Carmem Lúcia Castro Lima. No prazo máximo de quatro meses, o Plano Bahia Criativa deverá ter as suas diretrizes, metas e fontes de recursos indicadas.

“O tema Economia Criativa tem sido muito discutido no âmbito da área da Cultura. Desde 2007, a Secult desenvolve atividades relacionadas ao assunto, a exemplo de pesquisas, palestras, cursos do Qualicultura e o edital setorial Economia Criativa, que já tem dois anos”, afirmou Carlos Paiva, superintendente de Promoção Cultural da secretaria.

Recursos

Por meio do edital Economia Criativa já foram injetados na área, em nível estadual, recursos equivalentes a R$ 900 mil, beneficiando projetos de setores como moda, design, gastronomia, entre outros, que usam a inventividade e o capital intelectual para lançar produtos e serviços inovadores e capazes de gerar renda e emprego.

A coordenadora Carmem Lúcia chama a atenção para a importância da organização da área do estado. “As ações e discussões sobre Economia Criativa crescem cada vez mais no estado, porém estão dispersas. O Plano Bahia Criativa irá permitir enxergar um panorama geral da área na Bahia, além de institucionalizar vertentes de trabalho e apontar avanços”, completa.

Expansão

De acordo com as informações da Secult, o setor de Economia Criativa é um dos que mais crescem atualmente. O segmento consegue produzir resultados eficazes e de baixo custo, porque utiliza como principal matéria-prima o poder intelectual dos indivíduos envolvidos no processo. Um de seus grandes ganhos é a possibilidade de se relacionar com áreas diversas da economia.

Em 2012, o Ministério da Cultura (MinC) criou a Secretaria de Economia Criativa, que tem como missão conduzir a formulação, a implementação e o monitoramento de políticas públicas para o desenvolvimento local e regional, priorizando o apoio e o fomento aos profissionais e aos micro e pequenos empreendimentos criativos brasileiros. O objetivo é tornar a cultura um eixo estratégico nas políticas públicas de desenvolvimento do estado brasileiro.