Cerca de 25 mil moradores do semiárido baiano vão passar a ter água de qualidade na torneira, com a assinatura, nesta quinta-feira (6), da ordem de serviço para as obras do sistema integrado de abastecimento de água em Adustina, a cerca de 350 quilômetros de Salvador, no nordeste da Bahia, como parte da segunda etapa do programa Águas do Sertão. O governador Jaques Wagner assinou a ordem.

Com segunda fase do Águas do Sertão cerca moradores das sedes de Adustina, Fátima, Heliópolis, Paripiranga e de 57 localidades vão passar a ter água potável nas torneiras com regularidade.

“Nós aproveitamos o aquífero da Bacia Sedimentar de Tucano, que atravessa toda região nordeste da Bahia, uma das mais importantes do estado, e a partir de poços de alta vazão a água vai ser levada por uma adutora com extensão de 31 quilômetros e garantir água para diversos municípios”, disse o gerente de obras e serviços da Companhia de Engenharia Rural da Bahia (Cerb), André Lira.

Serão investidos na obra mais de R$ 18 milhões, que consiste em 380 quilômetros de rede de distribuição, 31 quilômetros de adutoras, três reservatórios e mais de cinco mil ligações domiciliares, dentre outras ações.

O governador ressaltou que, desde o início do governo, através do Água para Todos 3,5 milhões de baianos tiveram acesso a água de qualidade, e foram investidos R$ 7 bilhões em água e saneamento. “Existe um mar de água doce embaixo dessa terra daqui do semiárido, que com esse projeto, vamos levar água para as regiões mais necessitadas. Pretendemos com o projeto Águas do Sertão garantir acesso a água para cerca de 900 mil pessoas e investir aproximadamente R$ 350 milhões”, afirmou.

A previsão é que a obra seja concluída em oito meses e é um complemento do programa Águas do Sertão, que beneficiou 95 mil pessoas na primeira etapa.

Moradores de Adustina e comunidades vizinhas esperam dias e até semanas para ter água em casa. Francisca dos Santos, 82 anos, teve de mandar construir um reservatório. “Eu tive medo de não ter água em casa então fiz o reservatório. Fico feliz por estarem fazendo esta obra, porque água é vida, muito ruim não ter. Como por aqui sempre falta, eu acabo cedendo pros meus vizinhos também”. A situação é a mesma para Gedalva de Jesus. “Estou muito confiante, afinal, há três dias não cai uma gota na minha casa, e tem bairros que estão com muito mais dificuldade. Acredito que agora vai melhorar”, conclui.

Publicada às 10h50
Atualizada às 17h