Discussão da proposta preliminar da Agência Nacional de Águas (ANA) para o Plano de Gestão Compartilhada do aquífero entre os estados da Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Piauí e Tocantins. Esse é objetivo do seminário sobre o Aquífero Urucuia (SAU), que será realizado nesta quarta-feira (3), em Barreiras.

Durante o encontro, que será aberto ao público e ocorrerá no campus Professor Edgard Santos, da Universidade Federal da Bahia (Ufba), o especialista da diretoria de Estudos Avançados da Secretaria do Meio Ambiente, Zoltan Romero, vai explicar que, dentro da gestão interestadual do SAU, serão trabalhadas estratégias de uso sustentável, áreas de restrição e controle e zoneamento das vazões exploráveis.

Participam do encontro o superintendente de Políticas e Planejamento Ambiental da Sema, Edison Ribeiro, a diretora de Águas do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Maria Amélia, além de representantes da ANA, Prefeitura de Barreiras e do Consórcio Engecorps-Walm, contratado pela ANA e responsável pelo trabalho de monitoramento do Urucuia.

Também foram convidados representantes dos municípios da região, universidade, agricultores, membros dos comitês das bacias hidrográficas da região (Grande, Corrente e São Francisco) e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba).

Aquífero Urucuia

Aquífero é uma formação geológica subterrânea, capaz de reter água e de cedê-la, abastecendo rios e poços. O Aquífero Urucuia é o segundo maior do país, com uma área aproximada de 140 mil quilômetros quadrados, e representa uma importante fonte para o rio São Francisco.

Na região oeste do São Francisco, a área coberta pelos sedimentos predominantemente arenosos do Grupo Urucuia tem aproximadamente 76 mil quilômetros quadrados. Os estudos hidrológicos e hidrogeológicos realizados evidenciam a relação entre as águas superficiais e subterrâneas da região.