Com destaque nos acidentes de trânsito ocorridos na Bahia e seus impactos na saúde pública, aconteceu na sexta-feira (30), no Grande Hotel da Barra, em Salvador, o lançamento de Indicadores de Dados Básicos (IDB) 2012, uma produção da Rede Interagencial de Informação para Saúde/Bahia (Ripsa). A publicação, que traz informações da saúde por município, dentre outras, está disponível no site (Acesse aqui).

Na oportunidade, a superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab), Alcina Andrade, afirmou que o aumento da frota de veículos é um dos fatores de risco para a ocorrência de acidentes e mortes. “Entre 1999 e 2011, a frota de automóveis do estado teve um incremento de 193%, e a de motociclistas foi de quase 15 vezes maior, o que contribui para um maior número de acidentes”.

A coordenadora da Ripsa, Márcia Mazzei, disse que, conforme consta no documento, a taxa de acidente envolvendo motociclistas, de 1999 a 2011, cresceu 559,1%. Já do número total de acidentes, destaca-se que a mortalidade é cinco vezes maior entre os homens (31,3/100 mil habitantes). “No IDB constam ainda dados sobre internações e mortes por conta de acidentes de trânsito e gastos do sistema público de saúde”.

O documento registra também que de 1996 a 2011 morreram na Bahia 26.161 pessoas, devido aos acidentes de trânsito, significando quase 3% do total das mortes ocorridas no estado no período.

O número de mortes passou de 1.179, em 1996, para 2.570, em 2011, o que corresponde a uma elevação de 118% no período, com uma média de 1.750 mortes/ano, 145/mês e 5/dia. Pode-se observar a partir desses números que a cada cinco horas uma pessoa é vítima fatal de algum tipo desses acidentes no estado.

Indicadores sociodemográficos

Participou ainda do lançamento o coordenador de serviços de informação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística da Bahia (IBGE/BA) e membro da Ripsa, Joilson Rodrigues. Ele explicou que o documento tem abrangência porque também apresenta indicadores sociodemográficos de mortalidade, morbidade, recursos de saúde, cobertura dos serviços de saúde, dentre outros.

Em 2011, os dados apresentados no IDB foram sobre a mudança da estrutura etária da população. Em 2010, foram reunidos dados sobre a dengue.

A Ripsa foi instalada em 2008 para estabelecer bases de dados consistentes, atualizadas, abrangentes, transparentes e de fácil acesso, articulando instituições que possam contribuir para o fornecimento e crítica de dados e indicadores e para análise de informações, inclusive com projeções e cenários para gestão em saúde.

A rede reúne instituições que de alguma forma contribuem para o levantamento de dados sobre a saúde, como a Sesab, o IBGE, o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran/BA) e universidades, dentre outras instituições.