O empresário português José Matias, proprietário da Casa Matias, visitou, nos primeiros dias deste mês de dezembro, regiões da Bahia produtoras de caprinos e ovinos, com o objetivo de elaborar diagnóstico e avaliar parcerias com laticínios e produtores para produzir queijos amanteigados semelhantes aos de Portugal. A idéia inicial, segundo o secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles, “é avaliar a possibilidade de possuirmos, no futuro, um laticínio em cada uma das regiões produtoras, e uma marca forte de queijos amanteigados”.

A Casa Matias, localizada na região de Serra da Estrela, é uma das queijarias mais famosas e premiadas da Europa. José Matias veio à Bahia a convite de Eduardo Salles, que chefiou, em novembro deste ano (2012), uma missão institucional e empresarial a Portugal, Espanha e França e agora colhe os primeiros resultados. O secretário ressalta que se a Bahia tem o maior rebanho de caprinos e o segundo maior de ovinos do Brasil, então, por que não produzir queijos amanteigados tão bons quanto os fabricados na Europa?

Matias mostrou-se entusiasmado com o potencial das regiões visitadas e afirmou que “o queijo de ovelha quase não é produzido no Brasil. Vocês têm a oportunidade de serem pioneiros em queijos finos. É preciso trabalhar o leite cru, podendo inclusive utilizar também leite de vaca na mistura”. De acordo com o secretário, a ovinocaprinocultura é uma das cadeias produtivas presentes no semiárido.

“Nosso objetivo é criar uma cooperativa de pequenos e médios produtores de leite de cabra e ovelha da Bahia, e montar um laticínio”, disse Salles. O secretário explicou que “queremos dar sustentabilidade para convivência com o semiárido, e produzir queijos de qualidade que possam chegar ao consumidor ao custo aproximado de R$ 50 o quilo, e fazer com que mais pessoas possam consumir”. O queijo desse tipo, importando de Portugal, chega à Bahia ao custo de R$ 300 o quilo.

Durante três dias da visita, a comitiva esteve nos municípios de Juazeiro, Bonfim, Valente, Ponto Novo e Morro do Chapéu, reunindo-se com líderes de associações e produtores.