Trinta e dois vendedores ambulantes que trabalham na Estação de Transbordo Iguatemi, em Salvador, receberam nesta quarta-feira (1°) barracas padronizadas para a venda de doces e bebidas. A doação dos equipamentos faz parte do programa Vida Melhor Urbano, realizado pelo Governo do Estado para capacitar e melhorar as condições de trabalho de pequenos empreendedores.

Os ambulantes que receberam o equipamento estão cadastrados e autorizados a vender no local pela Prefeitura de Salvador. “É muito bom porque, agora, o cliente chega e vê tudo limpo, organizado, se sente até mais a vontade pra comprar”, disse Adail Borges, que trabalha na Estação Iguatemi há dois anos e recebeu uma barraca.

Os ambulantes também participaram de uma capacitação em gestão e estão recebendo assessoria técnica dentro do Vida Melhor Urbano. As ações fazem parte da estratégia do programa, que visa incluir produtivamente pessoas interessadas em trabalhar com pequenos empreendimentos.

Diversas secretarias participam da iniciativa, coordenada pela Casa Civil, que também tem como parceiros o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/BA), Caixa Econômica, Banco do Brasil e Banco do Nordeste.

Metodologia

O Vida Melhor Urbano é desenvolvido em Unidades de Inclusão Sócio Produtiva (Unis), implantadas em bairros populares. Elas possuem grupos de agentes locais que atuam como consultores, identificando pessoas com potencial empreendedor, atraindo-as para os cursos de capacitação e prestando todo o apoio técnico na gestão do negócio.

“As ações consistem em capacitar e fornecer material de trabalho para que o negócio se torne lucrativo e aumente a renda das famílias beneficiadas”, explicou o coordenador do Vida Melhor Urbano, Ailton Florêncio. Com a capacitação, os vendedores aprendem, por exemplo, a calcular o preço do produto avaliando o custo e projetando um determinado lucro, e também que devem investir mais no que é mais vendido.

Atualmente, o programa tem cinco Unis em funcionamento, distribuídas em Salvador, região metropolitana e Feira de Santana. Cerca de 10 mil pequenos empreendimentos são atendidos, todos com direito a microcrédito. “É uma nova oportunidade que se abre pra gente. Eu trabalhava com um caixote e um tabuleiro, e agora tenho uma barraca e pessoas para me ensinar a controlar o negócio”, comemorou o ambulante Benedito Souza, um dos beneficiados.