Cinco mandados de prisão e 14 de busca e apreensão, relativos à apuração dos homicídios do diretor financeiro do Sindicato dos Rodoviários, Paulo Colombiano dos Santos, e de sua companheira, Catarina Galindo, ocorridos no dia 29 de junho de 2010, foram cumpridos na madrugada desta quinta-feira (17). A operação, deflagrada pela Polícia Civil da Bahia, por meio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), prendeu Claudiomiro César Ferreira Santana e o irmão Cássio Antonio Ferreira Santana, donos do Plano de Saúde Mastermed, possíveis mandantes do crime, além de Edilson Duarte Araújo, Wagner Luís Lopes de Souza, Adaílton Araújo de Jesus, ex-funcionários dos empresários, participantes do crime.

O balanço da ação foi apresentado na tarde desta quinta pelo secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, na sede da SSP, no Centro Administrativo (CAB). Segundo ele, atuaram cerca de 120 policiais em vários endereços de Salvador como nos condomínios Morada dos Cardeais e Victory Tower, no Corredor da Vitória, Liberdade, Plataforma, Brotas, Estrada Velha do Aeroporto, Pernambués, além do interior do estado e região metropolitana.

O diretor da DHPP, Arthur Gallas, informou que a operação contou com o apoio da Policia Militar e de 22 grupos da Polícia Civil. “Colhemos mais de 60 depoimentos ao longo destes dois anos e, agora, vamos comparar todos os dados para instaurar novos inquéritos”.

Irregularidades

 De acordo com o secretário Maurício Barbosa, alguns documentos e computadores foram apreendidos na sede do Sindicato dos Rodoviários e na empresa de Plano de Saúde Mastermed. “Desde o início das investigações sabíamos que havia uma relação entre irregularidades do sindicato e as mortes. Paulo descobriu que a taxa administrativa paga pelo sindicato a Mastermed era muito alta. Foram pagos R$ 35 milhões para a prestação do serviço de 2005 a 2010. Mais de 30% do valor total pago a empresa, que era de R$ 106 milhões”.

O secretário ainda destacou a importância da participação de diversos setores da polícia como a Inteligência e a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa na elucidação dos crimes. “Foram feitas quebras de sigilo bancário e fiscal, e, com base nestas provas, chegamos às irregularidades, como desvio de verbas, concessão de empréstimos pessoais, cobranças de prestações de serviços indevidas, e vamos para outras linhas de investigação como lavagem de dinheiro e peculato”.

Duas linhas de investigação seguem em paralelo. Uma relativa às mortes e outra trabalha com o desvio de verba do sindicato como explicou o delegado geral da Polícia Civil, Hélio Jorge. “Vamos continuar as investigações a partir dos depoimentos dos suspeitos. Compararemos todas as informações obtidas ao longo deste tempo com as que acabamos de obter para identificar todos os suspeitos envolvidos nos crimes”.

No apartamento de Claudiomiro, na mansão Victory Tower, no Corredor da Vitória, foram encontradas armas e munições – duas pistolas, um revólver e uma escopeta.

O caso

Paulo Colombiano assumiu a tesouraria do Sindicato dos Rodoviários e passou a apresentar insatisfação com o plano de saúde que atendia à categoria, porque a taxa de administração mensal passava de R$ 700 mil. Ele foi morto, junto com sua esposa, após descobrir irregularidades, a exemplo de dívidas com o INSS, FGTS e Receita Federal.