Mais 100 jovens entre 18 e 22 anos estão tendo a oportunidade de entrar no mercado de trabalho por meio do programa Mais Futuro, desenvolvido pelas Voluntárias Sociais da Bahia e Secretaria Estadual da Administração. Os aprendizes vão trabalhar no Hospital Geral Roberto Santos, no Cabula, com contrato de dois anos. Nesta quarta-feira (4), eles participaram de um evento de boas-vindas promovido pelo hospital.

Os jovens, que iniciam a função na próxima segunda-feira (9), substituem outros que já atuavam na unidade hospitalar, mas que já cumpriram o período contratual. No Roberto Santos, os aprendizes terão a oportunidade de trabalhar em diversos setores, como administrativo, financeiro, enfermaria, atendimento, psicologia, ambulatório e emergência, sempre desenvolvendo tarefas de apoio aos funcionários desses departamentos.

Antes de começar a atuar no mercado de trabalho, os estudantes são capacitados e conhecem toda a estrutura organizacional de uma empresa pública. “Estou me sentindo preparada para o trabalho. Aprendi muita coisa sobre gestão pública, sobre o SUS e sobre o funcionamento do hospital. Estou pronta e ansiosa para desempenhar bem a minha função”, afirmou a estudante Michele Santos, 19 anos.

O diretor administrativo do hospital, Lerley Ladeia, explicou que, além da capacitação das Voluntárias Sociais, os aprendizes são preparados pelos coordenadores das áreas em que vão atuar. “Conhecem a rotina administrativa e assistencial do hospital e logo depois são inseridos junto aos outros servidores para colocar em prática tudo que aprenderam na capacitação”.

Benefícios 

Ladeia citou os benefícios que o Roberto Santos obteve ao contratar os jovens, como melhorias no controle de materiais e equipamentos, no redimensionamento de processos administrativos, no que diz respeito à formatação de informações, e melhor atendimento aos usuários em relação ao direcionamento aos locais dos hospitais.

Criado em 2008, pelo decreto nº 11.139, que regulamenta a contratação de jovens, segundo a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o Mais Futuro possibilita a formação técnico-profissional e inserção no mercado. Segundo a coordenadora do programa, Rita Rios o aprendiz tem direito a carteira assinada, bolsa no valor de R$ 556, auxílio-lanche, vale-transporte e plano de saúde, devendo cumprir seis horas diárias de atividades. Após dois anos de experiência, o currículo é inserido no banco de dados do Sistema de Intermediação para o Trabalho (Sinebahia).