A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) está realizando obras emergenciais para atender aos municípios da região de Senhor do Bonfim, como Andorinhas, Jaguarari, Saúde, Mairi e Várzea do Poço, onde mananciais secaram por conta da seca que já atinge 189 municípios na Bahia, causando colapso nos sistemas de abastecimento de água que servem a estas cidades.

A conclusão destas obras está prevista para os próximos 60 dias. Até lá, a unidade regional da empresa, em Senhor do Bonfim, está garantindo o abastecimento a cerca de 50 mil habitantes, com a distribuição de dois milhões de litros de água tratada por dia, mobilizando uma frota de 40 caminhões-pipa. Na região não chove regularmente há mais de um ano. Rios, lagoas e outros mananciais estão completamente secos. Cursos de água, à exemplo dos rios Ipoeira, Fumaça, Paiaiá, das Flôres e Prata apresentam apenas terra seca em seus leitos. As consequências da estiagem são devastadoras sobre a economia local, com grande prejuízo para a criação de animais e a lavoura.

Adutora 

Em Andorinha, a empresa está implantando 68 quilômetros de adutora e construindo duas estações elevatórias para trazer 37 litros por segundo (l/s) de água tratada do sistema de abastecimento de Caraíba. A barragem que atendia ao município secou desde janeiro, preocupando uma comunidade de 15 mil pessoas. O investimento é de R$ 5,6 milhões. A Embasa também está providenciando a interligação do sistema de abastecimento de água de Senhor do Bonfim ao sistema que atende a cidade de Jaguarari, incrementado com 18 litros por segundo, a oferta de água destinada ao município. O investimento é de R$ 3 milhões e visa atender, numa primeira etapa, 13 mil pessoas.

Para aproveitar a disponibilidade da água ainda armazenada em alguns pontos da Barragem de São José do Jacuípe, que opera no momento com apenas 12% da sua capacidade normal de acumulação, estão sendo implantados dois quilômetros de adutora de água bruta para garantir o abastecimento em Várzea do Poço e Mairi, além de 550 metros de adutora e um quilômetro de rede elétrica para abastecer Várzea da Roça. O investimento total para atender estas cidades é de R$ 400 mil.

De acordo com o gerente da unidade regional da Embasa em Senhor do Bomfim, Vinicius Souza, essas ações operacionais não são isoladas. Elas se integram a projetos estruturantes em andamento, a exemplo da segunda etapa da adutora de Pedras Altas, que deverá atender a 200 mil pessoas em 17 municípios da extensa área afetada pela seca.

Água da Embasa 

Mas, por enquanto, além de contar com o trabalho em regime ininterrupto da Embasa para abastecer os municípios com carros-pipas, a população local reza e apela para que chova no mais breve espaço de tempo possível. É o caso de Maria Madalena de Jesus, moradora de Andorinhas, que afirma nunca ter visto, em seus 86 anos de vida, uma seca igual na região. “A gente tem que pedir a Deus para chover logo e agradecer a esse pessoal da Embasa que está cuidando prá que ainda tenha a água em casa”. A moradora espera ansiosamente que a rede em implantação na porta da sua residência traga água tratada desde Caraíba e regularize o abastecimento. “Tomaram a providência certa… com a barragem seca, a gente aqui não tinha outro recurso. Sem água ninguém vive, não é?"

Já Marcionília Silva, moradora da periferia de Paiaiá, lamenta a estiagem, comentando que a pouca água disponível está sendo usada para beber, enquanto observa sua pequena criação e vê secar, a cada dia, a pequena cacimba nos fundos da sua casa. “Ainda bem que a Embasa está trazendo a água, senão a gente ia ter que sair daqui”.