Os moradores do município de Itambé, a 566 quilômetros de Salvador, no Sudoeste, agora podem ir a Vitória da Conquista quantas vezes acharem necessário e com mais comodidade e segurança na via de acesso. Isso porque os 52 quilômetros do trecho da BA-263 que liga as duas cidades foram totalmente recuperados. O benefício não serve apenas aos quase dois mil veículos que trafegam pelo trecho diariamente, mas à população que utiliza a estrada para ir à escola, à universidade, ao hospital, ao posto de saúde e ao trabalho.

Os benefícios de uma rodovia restaurada têm contemplado a toda a família do comerciante Hélio Menezes dos Santos, 66 anos. Ele afirmou que a restauração facilitou a ida do filho de 20 anos à universidade, porque ampliou o transporte para Vitória da Conquista e a viagem ficou mais rápida. “Ele agora sai de casa tranquilo, sem medo de perder aula. Antes, por causa das péssimas condições na estrada, às vezes o atraso era constante mesmo saindo cedo. Eu também passei a ir com mais frequência a Vitória da Conquista para comprar produtos para o meu bar”, contou.

Além do comerciante Hélio, a cozinheira Maria da Glória Ribeiro também está usufruindo do desenvolvimento local após a restauração da via. Ela trabalha em um restaurante que fica no meio da estrada, localizado na Serra do Marçal, uma das paisagens mais exuberantes do Sudoeste. “Depois que reformaram tudo aqui, os clientes passaram a parar mais no restaurante. Acredito que, como agora eles têm mais tempo porque estão mais tranquilos e, aí, param um pouco para relaxar e admirar a paisagem”, disse.

O investimento de mais de R$ 29,4 milhões beneficia 731 mil pessoas de Itambé, Vitória da Conquista, Itapetinga e Livramento de Nossa Senhora. Inaugurado neste sábado (24) pelo governador Jaques Wagner e o vice-governador e secretário de Infraestrutura Otto Alencar, na via, passam diariamente, em média, 1,5 mil veículos. Com a entrega do trecho que liga Itambé a Vitória da Conquista, o Governo Estado, por meio da Secretaria de Infraestrutura, conclui a revitalização da BA-263.

“Nunca fizeram uma obra tão boa nesta estrada. Estou admirado. O melhor é que vou gastar menos com peças de carro, que era uma coisa frequente”, afirmou o aposentado José Inocêncio da Silva, 80 anos.

Um dos grandes problemas da estrada de Itambé era o ‘Trevo da Morte’, onde já foram registrados diversos acidentes fatais. Agora, com a recuperação, os motoristas passaram a ter uma visibilidade melhor.

A obra faz parte do Programa de Restauração e Manutenção de Rodovias (Premar), estruturado pelo Governo do Estado e financiado pelo Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). 

Barra do Choça

Outro município do Sudoeste beneficiado com infraestrutura é Barra do Choça, onde foi inaugurada pavimentação do trecho da BA-646 entre a sede da cidade e o distrito de Barra Nova, com 14 quilômetros.

A obra contou com recurso superior a R$ 6,5 milhões e atende 40 mil pessoas de Barra do Choça, Caatiba e Vitória da Conquista. Segundo o secretário Otto Alencar, de 2011 até março deste ano já foram investidos cerca de R$ 700 milhões na recuperação de rodovias em toda Bahia. Nos primeiros quatro anos foram mais de R$ 2 bilhões, totalizando quase R$ 3 bilhões nos últimos seis anos, totalizando seis mil quilômetros de extensão totalmente recuperados.

“Vamos inaugurar em abril o maior trecho de estrada feitas com recursos próprios do estado, que é a estrada do Feijão. “A obra passa por Porto Feliz e Piritiba, de Morro do Chapéu passa por João Dourado. Passa também por América Dourado, Irecê, Central e chega até Xique-Xique, totalizando 254 quilômetros de extensão”, pontuou Otto Alencar.

Segundo o governador Jaques Wagner a meta é totalizar oito mil quilômetros de rodovias recuperadas. “Vou continuar trabalhando porque não existe nada melhor que levar melhorias e desenvolvimento para toda Bahia”.

Além da estrada recuperada, Barra do Choça inaugurou o primeiro entreposto frigorífico modular da Bahia, com capacidade para abater 30 animais por dia.

Os entrepostos frigoríficos são estruturas modulares dotadas de equipamentos em aço inox, onde serão feitas as desossas, separando as carnes. Depois de passar pelo entreposto, a carne é levada aos balcões frigoríficos para comercialização.

Publicada às 13h40
Atualizada às 21h20