Yuri Andrade, de 14 anos, e Girlene Machado, 13, têm um sonho em comum: eles querem ser jogadores de vôlei. Oriundos de famílias humildes do bairro do Nordeste de Amaralina, em Salvador, perceberam que o esporte pode ser o atalho para crescer na vida. Não demorou muito para que o sonho de ambos ficasse mais próximo de se tornar real. Os dois foram convocados para as seleções baianas de suas respectivas categorias. Sonhos como esse povoam a mente da maioria dos mais de três mil alunos do Projeto Esporte, Lazer e Inclusão Social do Nordeste de Amaralina.

Mantido pelo Governo do Estado, por meio da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), o projeto é realizado em parceria com a Associação Educacional Social Ágape (Aesa), que renovou convênio com o governo na quarta-feira (28), em cerimônia realizada na sede da associação, no Nordeste de Amaralina.

O projeto oferece aulas gratuitas para crianças e adolescentes nas modalidades de vôlei, capoeira, boxe, natação, futebol de campo, futebol de praia, karatê, jiu-jitsu, atletismo e aulas de ginástica para a terceira idade. Para o presidente da Aesa, Antônio Carlos de Jesus, o Nordeste e Amaralina é um celeiro de talentos a serem descobertos.  "Há uma meta a ser alcançada. Os garotos que estão aqui não querem participar apenas dos momentos de lazer. Eles querem ser campeões. Por isso, é tão importante a sequência do projeto que é desenvolvido. Sabemos das dificuldades dessa região, mas estamos trabalhando para o fundamento de uma nova geração de campeões do nosso bairro", disse, feliz, Antônio.

Os garotos Yuri e Girlene, que estão tendo a primeira oportunidade de mostrar seus talentos, estavam felizes da vida. "Estou há quatro anos no projeto e agora chegou a oportunidade. Deixo nas mãos de Deus", disse Yuri. Girlene não esconde o sorriso por conseguir chegar à seleção baiana. "Estou super feliz, vou lutar para me firmar como atleta", garantiu.

Das ruas para os ringues 

Um dos destaques do projeto de iniciação esportiva é o pugilista Anderson Machado. Ele participou de quatro brasileiros de boxe, é bicampeão brasileiro e também baiano nas categorias 54 e 52 quilos, respectivamente. Há seis anos no projeto Esporte, Lazer e Inclusão Social, ele vê no esporte a esperança de dias melhores. "Eu vivia nas ruas. Não respeitava ninguém. Hoje eu sou campeão e cidadão", disse, orgulhoso.

O diretor-geral da Sudesb, Raimundo Nonato Tavares da Silva, Bobô, disse que se sente orgulhoso pelos resultados positivos do projeto. "O Governo da Bahia entende que políticas públicas de inclusão social devem ser apoiadas e fomentadas. O apoio ao esporte vem sendo forte e o resultado está surgindo. Vocês também devem se sentir orgulhosos por fazer parte de um projeto que vem dando certo e é abraçado por toda a comunidade", disse Bobô.

Futebol sub-17 

Também foi assinado na tarde de quarta-feira, o convênio para realização da primeira Copa de Futebol sub-17 do Nordeste de Amaralina. A Sudesb irá apoiar financeiramente a competição. A primeira partida, envolvendo as equipes Casba e Ypiranga, acontecerá no próximo dia 8 de abril, às 9 horas, no campo do Bairiri. Para um dos organizadores da Copa, Juarez Fonseca, esse era o incentivo que faltava para realização da competição. "Quero agradecer a Sudesb por esse apoio. Agora, nossa juventude irá participar de uma competição de alto nível", disse.