A primeira parcela dos recursos financeiros do Plano Brasil sem Miséria, do governo federal, já foi disponibilizada aos agricultores familiares em estado de extrema pobreza dos municípios de Matina e Riacho de Santana, Território Velho Chico, no sertão baiano. O recurso, não reembolsável, visa garantir a segurança alimentar e a comercialização de produtos produzidos pelos agricultores beneficiários, a partir de um trabalho de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que, nestes municípios, é de responsabilidade da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), órgão vinculado à Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri).

“Por intermédio dos nossos técnicos são identificadas as carências dos agricultores e seus potenciais, com o objetivo de desenvolver projetos destinados à aplicação dos recursos, de forma a gerar alimentos e renda para a manutenção da família”, explicou a gerente Regional de Bom Jesus da Lapa, Ivani Pereira Santos.

Nesse primeiro momento foram contemplados, em média, 20 famílias de cada município, que, de acordo com o estipulado pelo plano, receberão um benefício no valor total de R$ 2,4 mil, divididos em três parcelas, sendo a primeira de R$ 1 mil e as demais de R$ 700, cada, pagas a cada seis meses, a partir da primeira parcela.

O Brasil sem Miséria alcança agricultores familiares que vivem em situação de extrema pobreza, com renda de até R$ 70, por componente familiar, e que já recebam Bolsa Família. Esta ação é dos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA).