Portadores de diabetes e profissionais de saúde do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) estiveram reunidos na manhã desta sexta-feira (12), no auditório do Centro de Atenção à Saúde (CAS), para comemorar, antecipadamente, o Dia Mundial do Diabetes, que transcorre no próximo domingo, dia 14 de novembro.

O evento teve a presença do secretário da Saúde do Estado, Jorge Solla, que na oportunidade anunciou o credenciamento, pela Comissão Nacional de Residência Médica, de duas vagas no Cedeba para médicos residentes em endocrinologia, a partir do próximo ano.

Solla lembrou ainda que ao ser inaugurado, em 1991, o Cedeba contava com apenas 16 servidores, número que atualmente está próximo de 300, e falou sobre a importância do trabalho realizado pela unidade, que vai além da assistência aos pacientes atendidos no local.

Avanço 
“A partir do Cedeba, profissionais de outros estados e até de outros países são treinados para diagnosticas e tratar o diabetes, evitando complicações decorrentes da doença”, disse o secretário. Acrescentou que já houve um avanço muito grande no acesso ao diagnóstico e tratamento do diabetes, mas ainda é necessário que cada dia mais, a atenção básica se qualifique para o acompanhamento dos portadores da doença.

Com o tema “Educar para prevenir” em Diabetes, as atividades do Encontro com Diabéticos do Cedeba foram abertas pela diretora do centro, Reine Chaves, que falou sobre a importância do Dia Mundial do Diabetes como uma data para alertar a população em geral para o impacto da doença. Ela lembrou que o diabetes é considerado um problema de saúde pública, além de estimular políticas públicas que possibilitem que os portadores de diabetes vivam mais e melhor. Reine Chaves disse ainda que a data é comemorada em 181 países, e que no Brasil, no ano passado, 173 monumentos foram iluminados de azul, cor que representa a união da comunidade global em resposta à epidemia de diabetes.

Brindes e animação
Antes do horário marcado para o início da programação do Dia Mundial do Diabetes, pacientes acompanhados no Cedeba e integrantes de associações de portadores de diabetes de Salvador lotavam o auditório do CAS. Todos receberam lanches, camisas alusivas à data e brindes e, demonstrando grande animação, ensaiavam um número musical a ser apresentado durante o evento.

Aos 89 anos, dona Josefa Alves de Almeida, da Associação dos Diabéticos de Salvador (Adisa), era uma das mais animadas. Ela conta que descobriu ser diabética há 33 anos, há 15 é associada da Adisa, toma as medicações necessárias e pratica exercício – caminhada – todos os dias, por isso, nunca teve qualquer complicação decorrente da doença. “Tenho muito amor à vida, me cuido. Nós, diabéticos, precisamos ter muito cuidado com a alimentação e os exercícios”, ressaltou dona Josefa.

O evento teve ainda apresentação do grupo de idosos “Envelhecimento ativo”, do município de Dias D`Ávila, liderado pelo fisioterapeuta Durval Santana, e da peça de teatro “Xô, dona Hipo”, encenada pelos agentes comunitários de Cosme de Farias, com a coordenação de Fátima Leal. Houve ainda sorteio de brindes e bingo. Homenagem especial foi prestada a Fátima Leal e Durval Santana, que receberam uma placa comemorativa do Cedeba.

Estiveram também presentes ao evento a superintendente de Atenção Integral à Saúde da Sesab, Gisélia Santana; a diretora de Gestão do Cuidado, Débora do Carmo; o diretor da Atenção Básica, Ricardo Heinzelmann, e deputada estadual Fátima Nunes.

Hipoglicemia 
O Dia Mundial do Diabetes é comemorado por iniciativa da Federação Internacional de Diabetes, com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, a data é assinalada pelo Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Diabetes, com a parceria das secretarias estaduais da Saúde, visando massificar informações sobre a doença e a importância de serem adotadas as medidas de prevenção.

Na Bahia, a Sesab, através do Cedeba, buscou esse ano dar um enfoque especial no tema “Hipoglicemia – como prevenir e tratar”. A diretora da unidade explicou que a hipoglicemia se dá quando há uma queda de açúcar no sangue, e que pode ocorrer quando há o uso inadequado da medicação, pelo diabético. Reine Chaves revelou ainda que “estamos internando menos por complicações do diabetes, mas estamos observando um aumento no número de casos de hipoglicemia”.