Até o fim deste ano de 2010 o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), órgão do Governo da Bahia vinculado à Secretaria de Cultura (SecultBA), atinge a produção de 12 mil cópias de documentários sobre os patrimônios imateriais baianos. Os DVDs são distribuídos em bibliotecas, escolas, prefeituras, universidades, instituições de proteção ao patrimônio cultural e emissoras de televisão.

Alguns desses vídeodocumentários são apresentados em palestras, encontros e seminários, ou veiculados em emissoras de televisão fora do país, como o DVD sobre o Carnaval de Maragojipe – festa declarada pelo governo estadual Patrimônio Imaterial da Bahia – que foi exibido na emissora TV Pública de Angola (TAP) em fevereiro de 2009.

A difusão internacional da festa carnavalesca de Maragojipe, que tem mais de 100 anos de existência, através da exibição na tv angolana, foi viabilizada pelo Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia, graças à troca de conteúdos entre TV Brasil e TPA, iniciada em 2009 via acordo de intercâmbio. À época, o diretor da TPA, José Guerreiro, afirmou que “os angolanos têm grande interesse em conhecer a realidade das diferentes regiões do Brasil". Já a TV Educativa (TVE), do IRDEB, veiculou todos os vídeodocumentários do IPAC.

A produção de documentários em mídia DVD é mais uma ação do IPAC que atende ao decreto estadual nº 8.626 de 2003 que determina a ampla promoção dos patrimônios culturais baianos. Dos bens culturais intangíveis – que são as manifestações culturais – o IPAC produziu, de 2007 até julho de 2010, documentários sobre Carnaval de Maragojipe, Festa da Boa Morte, Desfile dos Afoxés e Cortejo 2 de Julho, todos considerados como Patrimônios Culturais Imateriais do Estado, sendo que os Afoxés ainda estão em registro provisório.

“Há três décadas os bens intangíveis não eram protegidos oficialmente, recaindo a salvaguarda para o patrimônio construído, mas hoje já existe percepção do poder público reconhecer a dimensão imaterial da cultura, que para além das festas, reúne ainda culinária, saberes e fazeres, entre outras manifestações tradicionais”, explica o diretor-geral do IPAC, Frederico Mendonça.

O Instituto já produziu nove vídeos, um sobre exposição do artista Eckenberger, outro sobre a mostra comemorativa dos 40 anos do IPAC com participação do antropólogo Raul Lody, além do MAB 90 Anos, Desfile dos Afoxés, Duas Paisagens: Troca de Olhares, que promoveu aproximação entre Cachoeira e São Félix, Festa da Boa Morte, Centro Histórico do Salvador e Cortejo 2 de Julho, esses dois últimos integrando o Projeto (Per)Cursos Patrimoniais do IPAC.

“Em 42 anos de existência do IPAC, essa é a primeira vez que é criado no instituto um acervo imagético em DVD para a difusão desses bens culturais imateriais baianos”, destaca Mateus Torres, gerente de Pesquisa e Legislação Patrimonial do IPAC. A produção de DVD sobre patrimônios culturais é elogiada por especialistas de cinema e TV, já que esse material, por ser digital, pode ser veiculado na Rede WEB para qualquer parte do mundo, fazendo com que um maior número de pessoas conheça a Bahia e sua diversidade cultural.

Os DVDs do IPAC têm duração entre 10 a 28 minutos, formato padrão das emissoras de TV brasileiras para transmissão de documentários. O vídeo do 2 de Julho terá 1,2 mil cópias, o Centro Histórico 2 mil, já o Carnaval de Maragojipe, Festa da Boa Morte e Desfile dos Afoxés receberão 3 mil cópias, cada um, totalizando mais de 12 mil cópias ao somar o restante. Os vídeodocumentários serão, igualmente, distribuídos para bibliotecas baianas, através da Fundação Pedro Calmon. Mais informações na Gepel/IPAC, telefone (71) 3116-6741, ou no site do IPAC.