Durante o Dia de Campo do Algodão, na próxima sexta-feira (16), no município de Malhada, a Secretaria da Agricultura do Estado, lança oficialmente o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Cotonicultura do Sudoeste da Bahia. Os eventos acontecem conjuntamente, no distrito de Canabrava, a 40 quilômetros da sede, e visam à revitalização da cultura na região.

O trabalho é resultado da parceria entre o Governo do Estado, por meio da Seagri, do Fundo para o Desenvolvimento do Agronegócio do Algodão (Fundeagro) e da Associação Baiana dos Produtores Algodão (Abapa).

Aproximadamente 500 cotonicultores familiares serão beneficiados com o trabalho de subsolagem de mil hectares para cultivo do algodão na próxima safra, que se inicia em outubro. A atividade de preparo do solo, de forma diferenciada, será desenvolvida pela Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), em 10 municípios.

A empresa espera que esse preparo, associado ao trabalho de Assistência Técnica e Extensão Rural, (Ater), aumente a produtividade regional de 80 para 150 arrobas de algodão em caroço por hectare. Nessa primeira fase serão preparados dois hectares de área por agricultor familiar, nos municípios de Iuiu, Palmas de Monte Alto, Guanambi, Candiba, Pindaí, Urandi, Muquém do São Francisco, Brumado, Livramento de Nossa Senhora e Paramirim.

O chefe do Departamento de Agricultura da EBDA, Marcílio Seixas, explica que durante a execução e duração do Programa do Algodão, que vai de agosto de deste ano a novembro de 2011, serão oferecidas aos produtores, além do trabalho de subsolagem, todas as condições técnicas, tecnológicas, organizativas e de gerenciamento.

“Por meio desse trabalho de parceria vamos oferecer toda assistência no que diz respeito ao plantio e cultivo do algodão, ao monitoramento e supervisão da qualidade do produto nas fases de pré-colheita, colheita, pesagem, pós-colheita, acondicionamento, armazenamento no campo, pesagem, transporte, beneficiamento e comercialização da fibra e devolução do caroço do algodão”, informa Seixas.

Tecnologia para controle da praga do algodoeiro

Sobre a realização do Dia de Campo, organizado pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) e que integra as ações do Projeto Fitossanitário da cultura, o objetivo é revitalizar a cotonicultura no sudoeste, com a implantação de tecnologias compatíveis, sobretudo para os agricultores familiares e, em especial, nas ações de controle da praga do bicudo do algodoeiro. A expectativa da agência é reunir aproximadamente mil pequenos produtores.

Segundo o diretor da Adab de Defesa Sanitária Vegetal, Armando Sá Nascimento Filho, o Dia de Campo é uma ferramenta importantíssima de difusão tecnológica. “Além de intensificar as ações de defesa, a proposta é organizar a cadeia produtiva como um todo e incentivar o beneficiamento da produção”. Ele disse que durante a atividade será anunciada a criação do Núcleo Regional do Sudoeste e lançada a segunda etapa do Projeto Sudoeste – Algodão Sustentável, com a entrega de dois veículos para as atividades de fiscalização fitossanitária no território do Sertão Produtivo.

O agricultor familiar que visitar as estações de demonstração terá conhecimento sobre as técnicas de controle de pragas, o uso de agrotóxicos e o descarte correto de embalagens. Estão programadas ainda discussões sobre a agricultura familiar na cotonicultura regional e o uso atual do algodão adensado no Brasil.

Safra será acima de um milhão de toneladas

A Bahia é o segundo produtor nacional de algodão com 901.668 toneladas na safra 2008/2009. Desse total, mais de 38 toneladas foram produzidas na região de Guanambi no mesmo período. Para a próxima safra, as estimativas da Adab apontam para uma produção estadual acima de um milhão de toneladas.

A realização do evento e a implantação das ações de assistência técnica, pesquisa e defesa sanitária vegetal, objetivando incrementar a produção do algodão para os pequenos agricultores da região sudoeste, conta com a parceria da Associação de Produtores de Leite e Algodão de Malhada, Fundeagro, Abapa e Fundação BA.