O programa Saúde em Movimento alcançou, na última terça-feira (22), 100 mil consultas realizadas. Quando finalizar a sexta etapa, no município de Miguel Calmon, o programa Saúde em Movimento terá atendido mais de 110 mil cidadãos, em cinco meses de atuação.

Segundo o secretário da Saúde, Jorge Solla, esta marca representa uma expressiva contribuição para a redução do déficit de atendimento especializado em oftalmologia existente na Bahia. Solla explica que apenas 20% dos municípios baianos tem a oferta regular de oftalmologistas, desta forma, a carência da população por este tipo de serviço é enorme. "É inconcebível que atualmente, com todos os recursos tecnológicos existentes, encontremos cidadãos cegos, há mais de 16 anos, por causa de uma catarata, algo que se corrige com uma cirurgia relativamente simples, em pouco mais de cinco minutos", comentou.

Nas cinco etapas anteriores, o programa Saúde em Movimento realizou mais de 10 mil cirurgias de catarata e quase 20 mil de pterígio. Estes números, na avaliação de Solla, fazem parte de um conjunto de sintomas com origem na centralização da oferta de serviços na área de Saúde.

Solla disse que, nos últimos vinte anos, a política equivocada dos gestores centralizou a oferta de serviços especializados em saúde, onde todos que precisavam destes tipos de atendimentos tinham que realizar uma verdadeira e sofrida peregrinação. O secretário diz também que um dos aspectos responsáveis pelo sucesso do Saúde em Movimento é a itinerância do serviço. “Somente assim, fazendo com que a saúde bata à porta de quem mais precisa, é que conseguiremos recuperar o tempo perdido".

Prevenção 

O coordenador médico do Saúde em Movimento, Diego Áquila, complementa que as consultas oftalmológicas realizadas significam uma importante ação no sentido da prevenção da cegueira, pois se podem diagnosticar precocemente doenças como o glaucoma e vários tipos de retinopatias. Diego complementa informando que 42 tipos de exames fazem parte do elenco contratado pela Sesab para o Saúde em Movimento. Os exames diagnósticos e complementares são realizados com equipamentos de última geração e os pacientes podem ter acesso a procedimentos como biometria, campimetria computadorizada, paquimetria ultrassônica.

Saúde em Movimento melhora desempenho dos alunos do Topa

A melhoria na qualidade de vida e reinserção social dos pacientes, após ter a visão restabelecida, é outro aspecto a ser destacado na ação promovida pelo Saúde em Movimento, seja com os alunos do programa Todos Pela Alfabetização (Topa), que melhoram o desempenho escolar a partir da melhoria da visão, ou como ocorreu com o ex-agricultor Waldemar de Jesus, 85 anos, submetido a cirurgia de catarata na cidade de Gandu.

Waldemar conta que agora vai poder realizar o sonho de voltar a receber, após dez anos, a sua própria aposentadoria e efetuar o pagamento das suas contas. “Não vou depender de mais ninguém para fazer as minhas coisas, vou poder ir ao banco sozinho e receber o meu dinheirinho", comemorou o aposentado.

A sexta etapa do Saúde em Movimento teve início no dia 16 deste mês e o atendimento à população de todas as cidades da região continuará até o dia 28. Mais de 130 profissionais estão trabalhando nesta etapa, sendo 33 médicos oftalmologistas de diversas regiões do país, a exemplo dos estados de Pernambuco, São Paulo, Paraíba e Bahia. A previsão é que sejam realizadas mais de 28 mil consultas, 2 mil cirurgias de cataratas e 3 mil de pterígio.

Após a etapa de Miguel Calmon, o Saúde em Movimento passa a ter duas equipes para o atendimento especializado em oftalmologia, ampliando a quantidade de pessoas beneficiadas. As próximas cidades a receber o Saúde em Movimento serão Itagi, a partir do dia 5 de abril, e Baixa Grande, com início previsto para o dia 7 de abril. Até a quinta etapa foram realizadas 88.122 consultas distribuídas da seguinte forma, 2.953 em Mortugaba, 12.019 em Caetité, 18.707 em Ituaçu, 24.467 em Itapetinga e 29.976 em Gandu .