O Hospital Geral Roberto Santos recebeu uma obra de modernização e otimização da segurança do sistema elétrico, realizada na quinta-feira (18), para garantir autonomia em termos de fornecimento e distribuição de energia.
“A operação foi feita com sucesso. Tudo o que estava previsto foi feito, tudo nota mil. É garantia de segurança para muitos anos mais e é um trabalho que a gente tentava fazer desde 1995 e não conseguia”, comemorou o coordenador de Manutenção do Hospital Geral Roberto Santos, José Carlos da Silva Cerqueira.

Esta é apenas a primeira etapa de um amplo projeto realizado com investimentos da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) em parceria com a Superintendência de Construções Administrativas da Bahia (Sucab). Durante todo o dia, das 8h às 17h, foram executados serviços de manutenção corretiva e preventiva na Subestação Principal e na Casa de Medição. A distribuição da energia elétrica foi feita pelo gerador de emergência, garantindo o funcionamento dos circuitos vitais que atendem aos setores críticos do hospital. 

Foram trocados equipamentos obsoletos e outros que já apresentavam desgaste, feita inspeção em todos os componentes dos transformadores e instalado um sistema de proteção que inclui pára-raios, entre outros itens que vão garantir a segurança dos sistemas de alta e baixa tensão, como esclarece o diretor de Engenharia Clínica, Gilson da Mota Machado Júnior. Também foram efetuados todos os procedimentos de manutenção corretiva necessários, reforçando ainda mais a segurança do sistema. 

Para o diretor de Gestão da Rede Própria de hospitais da Sesab, Renan Araújo, que percorreu as dependências do HGRS e visitou a Subestação, a operação realizada hoje é extremamente importante, em função do que foi investido, nos últimos três anos, na ampliação do parque de equipamentos do hospital. “Era necessária a modernização da rede elétrica, para evitar sobressaltos no cotidiano da unidade e garantir um funcionamento mais estável dos equipamentos hospitalares e do parque de informática. Esse trabalho já deveria ter sido feito, ficamos muitos anos sem investimento nessa área”.

O diretor-geral do HGRS, Paulo Barbosa, afirma que o Hospital Roberto Santos, ao mesmo tempo em que prestou muitos serviços ao longo desses 30 anos, não teve uma boa política de manutenção, do ponto de vista de sua estrutura física e parque tecnológico. “As intervenções no sistema elétrico são necessárias para continuarmos mantendo o relevante serviço prestado à população com total segurança”. 

Barbosa disse que mais obras de vulto serão realizadas para recuperação da estrutura física de áreas como refeitório, lavanderia, almoxarifado e outras. “São projetos necessários para oferecer assistência em nível adequado, tanto para os nossos colaboradores como para os usuários”.

O gerador de emergência cobriu as áreas vitais do hospital, como as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Geral, Neonatal I e II e Pediátrica, Berçário, Centro Cirúrgico, Centro de Recuperação Pós-Anestésico (CRPA), Centro Obstétrico, Emergência Geral e Pediátrica, Laboratório, Banco de Olhos, Banco de Sangue, Enfermarias e Hemodiálise. Os demais setores, como Lavanderia, Esterilização, Cozinha, Refrigeração, Raio-X, Tomografia e Centro de Hemorragia Digestiva (CHD) funcionaram com circuitos de iluminação.