O Secretário Extraordinário para Assuntos da Copa 2014, Ney Campello, encontra-se em viagem à Alemanha, onde participou da Bolsa Internacional de Negócios em Turismo (ITB – Berlim), juntamente com a Secretaria Estadual de Turismo, aproveitando para realizar visitas técnicas aos principais estádios alemães que sediaram os jogos do último Mundial de Clubes, em 2006. 

Após participar do evento que reuniu mais de 170 países, dando prosseguimento a uma das estratégias do Governo da Bahia em atrair novos operadores e rotas aéreas para a Copa 2014, Campello, acompanhado do assessor de relações internacionais e esportivas, Marco Costa, iniciou visitas técnicas aos principais estádios alemães, dentre eles o Olympiastadion, de Berlim, o Allianz Arena, em Munique, e a AWD Arena, de Hannover, estádio que inspirou o projeto arquitetônico da Nova Fonte Nova. 

A visita técnica tem produzido importantes subsídios para o acompanhamento das obras e futura operação do estádio da Copa na Bahia, por se tratar de empreendimentos de grande sofisticação tecnológica, ao mesmo tempo, integrantes de importantes áreas históricas, a exemplo do Olympiastadion, construído em 1936 para receber os jogos olímpicos, quando ainda vigorava o regime nazista na Alemanha. 

O estádio foi completamente modernizado entre 2000 e 2004. É uma arena multiuso, hoje adaptada para 74,2 mil torcedores, seis mil vagas para estacionamento, sendo que o transporte público é valorizado, com 10 linhas de metrôs, oito delas finalizando no estádio. 

A arena possui quatro níveis voltados para lounges e eventos que recebem até 800 convidados, além de exposições e camarotes VIP. Ocorrem anualmente cerca de 200 eventos no equipamento, sendo apenas dois deles de porte internacional, no próprio campo, que é protegido com um piso falso, apoiado pontualmente na grama, aquecida para os períodos de neve e substituída pelo menos duas vezes por ano. Os eventos representam 20% da receita anual do estádio, que, apesar de não divulgar os números, a informação dos gestores é que o mesmo é sustentável e superavitário. 

O equipamento é público, mas administrado por várias empresas que tratam da bilheteria, manutenção, aluguel, gastronomia, limpeza e administração das visitações. Foram investidos 270 milhões de euros, com destaque para tecnologia de informação, voltada aos sistemas de acesso e segurança do público, reuso das águas de chuvas, dois telões eletrônicos. O estádio permaneceu com a configuração arquitetônica original, com abertura do eixo oeste do estádio, muito semelhante ao que ocorrerá com a ferradura do Dique na Nova Fonte Nova. 

A visita à Allianz Arena foi realizada no sábado (13), com o assessoramento da empresa BTD System, responsável pela infraestrutura de tecnologia de informação, onde Campello foi recebido pelo diretor de Tickets e Centro de Serviços do Bayern de Munique, Manfred Angermeyer. 

Trata-se do mais moderno equipamento para o futebol na Europa, de propriedade do Bayern, onde também atua o 1860 Munique, clube da 2ª divisão do futebol alemão. O estádio foi construído entre 2002 e 2005, mesmo prazo previsto para a Nova Fonte Nova, entregue, portanto, apenas um ano antes do Mundial de 2006, e recebeu a partida inaugural da Copa da Alemanha. Os investimentos de construção foram de 365 milhões de euros. Está preparado para receber 69,9 mil torcedores e possui sofisticado sistema de acesso e venda de ingressos e o uso exclusivo de cartão de crédito no interior do estádio, que é carregado em pontos de atendimento e auto-atendimento. 

Não há circulação de dinheiro no estádio. O sistema de controle de acesso e evacuação da praça esportiva garante a dispersão completa do público em apenas dez minutos e é completamente controlada por quatro pessoas. Possui o maior parque de estacionamento horizontal de estádios do mundo, com mais de 11 mil vagas cobertas e articulação rápida com uma moderna estação de metrô. 

A área VIP do estádio abriga três mil torcedores em sistema all inclusive, 106 camarotes VIP para 1,37 mil pessoas, que adquirem os ingressos para toda a temporada – 20 jogos -, com preços que variam de 4 a 8 mil euros. Tem 28 quiosques de alimentos e bebidas e três restaurantes. A arquitetura futurista do estádio possibilita uma alternância das cores vermelha, azul e branca, das 2.874 almofadas de ar que o envolvem, numa área de 64 mil metros quadrados. 

Ainda no domingo (14), o secretário recebeu a visita do vice-presidente da Siemens para assuntos de megaeventos, Lan Schoenig, empresa mundial com experiência em tecnologias integradas para estádios e mobilidade urbana, responsável por todas as ações de iluminação, segurança e bilhetagem do Allianz Arena e com diversos projetos de metrôs e VLT em funcionamento na Europa. Nesta segunda-feira (15), a visita técnica foi finalizada em Hannover com a ida à AWD Arena, cujo projeto arquitetônico da Schulitz & Partner foi o vencedor para a construção do novo estádio da Copa 2014 na Bahia, a Nova Fonte Nova.