A Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), unidade da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), promove a 12ª edição do projeto Quarta que Dança, idealizado para difundir a dança em suas diversas vertentes e estimular a pesquisa e a produção coreográficas na Bahia.

Sempre às quartas-feiras (de 31 deste mês a 11 de agosto), a Sala do Coro do Teatro Castro e ruas e praças do Centro Histórico de Salvador serão palco para 20 trabalhos de dança, selecionados dentre 60 projetos inscritos. A estreia fica a cargo da Áttomos Cia. de Dança, com o espetáculo VerboUm, Recortes Fragmentados, na Sala do Coro, às 20h.

O projeto Quarta que Dança surgiu em 1998 e, ao longo destes anos, proporcionou a montagem de mais de 150 apresentações de variados grupos e propostas artísticas. Em 2007, as inscrições passaram a ser feitas exclusivamente via edital, em duas categorias.

Além dos tradicionais Espetáculos de Dança foi aberto espaço para Trabalhos em Processo de Criação, com objetivo de estimular o debate em torno dos processos construtivos. No ano seguinte, 2008, outras duas categorias foram criadas – Intervenção Urbana e Dança de Rua, ampliando as possibilidades estéticas abrigadas e levando o Quarta que Dança também para as ruas da cidade.

O edital coloca na vida cultural da Bahia, durante mais de quatro meses, vinte novas produções coreográficas. “Promove o artista e também quer, mais e mais, realizar atividades que estimulem uma formação em dança aberta ao público. Difunde-se a dança em suas variadas formas, fomenta-se, assim, a produção artística e desenvolve-se todo um trabalho de formação de platéia”, informa o secretário de Cultura, Márcio Meirelles.

O projeto consolida um espaço para apresentações de dança no estado, estimula a profissionalização e o reconhecimento de artistas e grupos baianos, e também o surgimento de novos talentos. Juntamente com os editais Yanka Rudzka, Apoio à Montagem de Espetáculos de Dança, e Ninho Reis, Apoio à Circulação de Espetáculos de Dança no Estado, o Quarta que Dança integra uma política cultural que visa a incentivar, valorizar e difundir a dança na Bahia, resume a diretora da Funceb, Gisele Nussbaumer.

Acesso democrático
Nesta edição, os 20 contemplados nas quatro categorias serão beneficiados com uma premiação total de R$ 82 mil, ultrapassando a verba concedida na edição anterior (R$ 76 mil em 2008). A programação inclui trabalhos da capital e do interior e contempla também oficinas, bate-papos e palestras.

Para proporcionar o acesso democrático, os eventos realizados nos espaços públicos são gratuitos e as apresentações, na Sala do Coro do TCA, têm ingressos ao custo de R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia-entrada). “É notória a importância do Quarta Que Dança para o cenário de dança na Bahia, mostrando uma diversificada produção artística, com novas pesquisas corporais e proposições coreográficas. Nossa expectativa é de grande participação do público, que sinaliza o desejo de continuidade do projeto”, explica o diretor de Dança da Funceb, Alexandre Molina.

Espetáculo de estreia
A careografia do espetáculo do dia 31, de Anderson Rodrigo, utiliza como fonte de pesquisa, o ambiente da Feira de São Joaquim e suas manifestações socioculturais, com o dia a dia das pessoas que trabalham, passam e compram no local. A ideia é transpor a imagem da diversidade da feira para uma linguagem cênica reconfigurada pela performance de bailarinos com diferentes experiências artísticas e padrões estético-corporais.

Anderson Rodrigo já havia estado no Quarta Que Dança em 2008, com o projeto Sociedade Anônima. “Fico feliz por participar, mais uma vez, principalmente por o projeto ser pensado para artistas que acreditam na dança. É uma conquista para a classe”. Ele é filho do diretor da Cia. de Dança Jorge Silva, renomado coreógrafo que também já fez parte de edições anteriores do edital.