Representantes de diversas instituições do estado participaram, nesta segunda-feira (8), na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), da 3ª Reunião do Sistema de Televisão Pública da Bahia. Trata-se de mais uma etapa do projeto de formação de uma rede para produção de conteúdos regionais no interior, a serem veiculadas pelo Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb), por meio da da TVE.

O sistema conta com a participação das televisões das quatro universidades públicas estaduais da Bahia – Uefs, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e Universidade Estadual da Bahia (Uneb) – e das televisões da Secretaria de Educação – TV Anísio Teixeira e TV Ensino no Campo. Presente no evento, o diretor-geral do Irdeb, Pola Ribeiro, explicou que a iniciativa tem o objetivo de potencializar o trabalho já desenvolvido, com informação jornalística, tecnologia e conteúdos de qualidade que valorizem os aspectos regionais.

Esta proposta, segundo explicou, já é praticada em outros estados, com a implantação da TV Brasil. Conforme Ribeiro, o objetivo não é competir com as emissoras tradicionais, mas fazer com que estas também executem a política de valorização regional, o que pode ser conseguido a partir da concorrência.

Como exemplo, ele citou a audiência da TVE durante o carnaval da Bahia, que foi duplicada nos últimos dois anos, em função da produção de manifestações populares da capital e do interior. “Com isso, as televisões comerciais são incentivadas a transmitir programações que mostrem a cara do nosso povo”. Dentre outras iniciativas neste sentido, está a transmissão da Micareta de Feira de Santana, em abril, com o apoio da TV Uefs.

“O telespectador já está percebendo que a TV pública, patrocinada por ele, por meio dos impostos, está voltada para os interesses da população”, destacou o diretor do Irdeb. Para ele, o Sistema de Televisão Pública da Bahia, em discussão nesta segunda na Uefs, será uma lente de conteúdos regionais.

As equipes são montadas não apenas com a participação de jornalistas, como também de professores de diversos níveis de ensino e de representantes da comunidade. Serão produzidos, além de noticiários, materiais relacionados a temas como educação, cultura, saúde pública e pesquisas acadêmicas.