Agronegócios e biotecnologia foram os dois principais temas da conversa que o embaixador da Nova Zelândia, Mark Trainor, teve na tarde desta segunda-feira (12) com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Eduardo Ramos, e sua equipe técnica. Representante de um país que tem posição reconhecida especialmente nas áreas de pecuária e na produção de derivados do leite, Trainor demonstrou interesse em conhecer as duas áreas em que as relações entre a Bahia e a Nova Zelândia se mostraram mais promissoras, do ponto de vista da cooperação técnica e acadêmica, assim como nas relações comerciais.

Ramos aproveitou o encontro para sugerir algumas dessas possibilidades. Ele lembrou que em Feira de Santana está localizada a Central de Cooperativas de Leite da Bahia, uma usina de leite reunindo pequenos produtores de dezenas de municípios. “Como a Nova Zelândia tem excelência na pecuária, e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) tem também uma boa tecnologia para pastagens, talvez essa seja uma boa ideia”, afirmou o secretário, destacando que a Embrapa tem 42 centros de pesquisa em todo o país, dois deles na região do Rio São Francisco. “Queremos fortalecer um núcleo de cooperação internacional na secretaria e estamos dispostos a colaborar no que for preciso”, disse Ramos.

Foram apresentados, por representantes da Secti, as principais ações da secretaria e os temas agronegócio com o uso de energia solar e eólica, tecnologia de gestão do associativismo e do cooperativismo, a importância do TecnoBahia e da necessidade de pesquisa em novas tecnologias na área de processamento de alimentos, os principais desafios da produção de biodiesel conjunta à de alimentos, principalmente no Semiárido, entre outros.