Em missão oficial na França, o governador Jaques Wagner ofereceu a Bahia para sediar o Salon du Chocolat, em 2011, o maior evento mundial do gênero. Presente nesta sexta-feira (16) no estande brasileiro do cacau, instalado no Paris Expo – Porte de Versalhes, em Paris, o governador recebeu os organizadores da Feira e todos os principais produtores de chocolate. O evento, que é realizado anualmente e reúne produtores e comerciantes de cacau, recebeu mais de 1 milhão de pessoas nos últimos três dias.

O estande brasileiro, considerado pelos organizadores um dos mais bonitos e animados, foi um dos mais visitados e contou com o apoio da Associação dos Produtores de Cacau (APC), da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), do Instituto Cabruca, do Ministério da Agricultura e do Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri). Destaque para a brasileira Mirian Rocha, uma chocolatier formada na França, responsável pelo coquetel do evento, feito a base de chocolate. A cultura baiana também esteve presente com um show típico, que reuniu baianas e capoeiristas no palco principal do evento, local onde o governador Jaques Wagner também foi homenageado.

Segundo o presidente do Instituto Brasileiro do Cacau, Henrique Almeida, o evento foi muito importante para o Brasil. Ele citou, por exemplo, os convênios de cooperação firmados pela Ceplac e o Instituto Cirrad no sentido de realizar estudos e pesquisas para o aperfeiçoamento do cacau baiano.

O secretário da Agricultura, Roberto Muniz, também presente ao Salão, se mostrou satisfeito e encantado com o evento, pois o trabalho realizado ali recuperava não apenas o cacau brasileiro, mas toda uma região da Bahia, que estava estagnada há anos. Nesse sentido, Muniz lembrou que nos próximos dias será realizado um grande evento em Itabuna beneficiando mais de três mil produtores, com o refinanciamento de suas dívidas.

Investimentos

De Paris, a comitiva baiana segue para Champagne, região famosa por seus vinhedos e por concentrar também a maioria das grandes cooperativas de vinhos. A idéia é visitar o local com o objetivo de atrair investimentos para Bahia, que já tem mostrado uma vocação nesse segmento nas áreas irrigadas do Vale do São Francisco.