No mês de maio a taxa de desemprego foi de 20,8% na Região Metropolitana de Salvador, o que aponta para uma estabilidade em relação ao mês anterior. Essa é a menor taxa, referente a maio, dos últimos 11 anos. A informação é da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) e foi divulgada nesta quarta-feira (25) pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria do Planejamento, pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), pela Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA, pela Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) e pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados do Governo de São Paulo (Seade), órgãos parceiros na pesquisa.

Em comparação ao mês de maio de 2007, a taxa de desemprego diminuiu 7,6%, como resultado da redução na taxa de desemprego aberto que passou de 14,5% para 12,4%, enquanto a taxa de desemprego oculto aumentou de 8,0% para 8,5%. Nos últimos 12 meses, 29 mil pessoas saíram da situação de desemprego, resultado do aumento de 40 mil postos de trabalho que foi superior à entrada de 11 mil pessoas no mercado de trabalho.

Segundo a forma de inserção no mercado de trabalho, em maio deste ano, o emprego assalariado teve um aumento relativo de 0,9%. O contingente de assalariados do setor privado aumentou em 13 mil pessoas (1,8%), resultado do crescimento de 8 mil postos assalariados sem registro formal (5,5%) e de 5 mil postos com carteira assinada (0,9%). O número de trabalhadores assalariados do setor público diminuiu 2,9%, representando a perda de 6 mil ocupações, também diminuiu (1,7%) o número de trabalhadores domésticos, com 2 mil postos a menos, e o agregado “Outros”, onde se inclui os Empregadores, os Trabalhadores Familiares, os Donos de Negócios Familiares, etc. (8,9%), uma perda de 8 mil ocupações. Por outro lado, o número de trabalhadores autônomos ficou estável em 325 mil pessoas ocupadas.