O ex-presidiário flagrado, na quarta-feira (4), quando tentava entregar um celular para o traficante Genílson Lino da Silva, o “Perna”, no Complexo Policial dos Barris, um dia antes dele ser transferido para o presídio federal de Catanduva, no Paraná, reconheceu o ex-PM Judson Luís Machado de Andrade, por meio de fotografia, como o contratante do serviço.

Ele foi interrogado, mais uma vez, na quinta-feira (5), e reafirmou que Judson estava fora da Colônia Penal Lafayete Coutinho desde que recebeu o indulto do Dias das Mães.

Em seu depoimento ao diretor do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), delegado Arthur Gallas, o preso relatou que Judson fez a proposta em um quiosque, no bairro de Amaralina, acompanhado de outro homem. Na ocasião, recebeu do ex-PM uma camisa com o emblema da Polícia Civil e a promessa que lhe seria pago R$ 2 mil se a entrega fosse concluída.

Judson e o outro homem, ainda não identificado, se dirigiram para o Complexo dos Barris num Corsa roubado, quatro portas, de cor marrom, onde deixaram o ex-presidiário. Gallas informou que a movimentação do trio, na frente da unidade policial, foi percebida pelos agentes.

O depoimento foi acompanhado pela promotora Ana Rita Nascimento, integrante do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Graeco). O ex-presidiário será enquadrado nos artigos 307 do Código Penal, por falsa identidade e pelo artigo 37 da Lei Anti-Drogas, colaborar como informante para o tráfico de drogas.