Nesta sexta-feira (6), o Dia Nacional do Teste do Pezinho será comemorado, pela primeira vez, no Brasil. A data marca a implantação, em 2001, do Programa Nacional de Triagem Neonatal/PNTN, que possibilitou a regulamentação da triagem neonatal em todo o território nacional e garantiu, não só a realização do teste do pezinho, mas também o tratamento e acompanhamento das doenças triadas, evitando as seqüelas que poderiam trazer para as crianças.

Na Bahia, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), que já realizava a triagem para hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria e outras aminoacidopatias, prevenindo e evitando deficiência mental e outras seqüelas, foi credenciada pelo Ministério da Saúde/Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) como Serviço de Referência em Triagem Neonatal e passou a incluir a triagem para as doenças falciformes e outras hemoglobinopatias. O credenciamento aconteceu a partir da publicação do PNTN.

Técnicos da Sesab ressaltam a importância da triagem neonatal para a doença falciforme na Bahia, lembrando que a incidência da patologia no estado é de um por 700 nascidos vivos e que o traço falciforme está presente entre 7 e 10% dos nascidos vivos.

A realização do teste do pezinho, com a inclusão da triagem neonatal para doenças falciformes, possibilitou o mapeamento desta desordem genética no estado, a adoção de ações preventivas para melhorar a saúde dos pacientes, a orientação e o aconselhamento genético com as famílias e o fornecimento de dados para que estados e municípios promovam políticas públicas de atenção aos pacientes com a doença falciforme.

Dados da Sesab relativos à triagem neonatal realizada entre 2001 e o ano passado, indicam a existência de 1.723 crianças de zero a 7 anos que são portadoras da doença falciforme, enquanto na Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba) estão cadastradas cerca de 2.000 pessoas com a doença.

Um programa mais amplo, envolvendo várias instituições governamentais e instituições parceiras está sendo implementado – o Programa de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme, que prevê, entre outras ações, o diagnóstico precoce, o tratamento adequado e a massificação da informação sobre a doença, considerando o alto nível de desconhecimento da mesma.

O teste do pezinho ou triagem neonatal, que começou a ser feito na Bahia, em 1992, é um exame de sangue que identifica, logo no início, doenças que podem comprometer o desenvolvimento físico e mental da criança. O exame, que deve ser feito ainda na primeira semana do nascimento, é realizado por meio da coleta de gotinhas de sangue do calcanhar dos recém-nascidos.

Nos casos de exames alterados, os bebês são chamados para nova coleta, a fim de efetuar a confirmação do diagnóstico e, quando necessário, iniciar rapidamente o tratamento adequado.