A aproximação do inverno, que se inicia no próximo dia 20 de junho, faz com que as temperaturas comecem a cair em algumas regiões da Bahia. O boletim meteorológico divulgado nesta quinta-feira (12) pelo Centro Estadual de Meteorologia, do Instituto de Gestão das Águas e Clima (Cemba/Ingá), nova denominação da Superintendência de Recursos Hídricos (SRH), mostra que nas regiões da Chapada Diamantina e Sudoeste as temperaturas mais baixas desse final de semana ficarão entre 13ºC e 17°C.

Nas regiões Norte, Oeste e São Francisco, as máximas não devem superar os 32°C, mas as mínimas vão ficar em torno de 15ºC. Nas regiões do Recôncavo, Nordeste e Sul, as mínimas deverão variar entre 15ºC e 20°C, e as máximas entre 28°C e 31°C.

O boletim mostra que as áreas de instabilidades atmosféricas associadas aos ventos úmidos que vêm do Oceano Atlântico deverão favorecer a formação de nuvens na faixa centro-leste da Bahia. Essas condições do tempo indicam que o céu deverá ficar nublado a parcialmente nublado e podem ocorrer chuvas fracas em Salvador e Região Metropolitana e regiões Nordeste, Recôncavo e Sul, nesse final de semana.

A presença de uma grande massa de ar quente e seco sobre as regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte do Nordeste do Brasil deverá inibir a formação e o desenvolvimento de nuvens e, conseqüentemente, a ocorrência de chuva no setor centro-oeste da Bahia. A previsão desta sexta-feira (13) até domingo (15) é de céu com poucas nuvens nas regiões Oeste, São Francisco e Norte.

Para as regiões da Chapada Diamantina e Sudoeste, o céu deverá se manter parcialmente nublado a claro podendo ocorrer chuvas fracas e isolada em todo o litoral baiano, a maré alta deve variar entre 1,7 e 2 metros de altura e deve atingir o máximo em torno das zero hora e das 12 horas.

A nebulosidade prevista para o setor centro-leste da Bahia entre amanhã e domingo contribuirá para a redução da incidência de Radiação Solar em todo o estado. Os Índices de Radiação Ultravioletas (IUV) previstos para este período são enquadrados nas categorias seis, sete e oito da Organização Mundial de Saúde (OMS), consideradas alta e muita alta, exigindo assim cuidados com a pele e os olhos.