Um programa voltado para a juventude e focado na educação e qualificação profissional. Com a presença de secretários de Estado, o governo baiano apresentou nesta quinta-feira (19) ao presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochman, o programa integrado para atender os jovens baianos entre 16 e 29 anos, que está sendo elaborado em conjunto por diversas secretarias estaduais. O programa será baseado nas prioridades definidas no amplo debate realizado na Conferência de Juventude da Bahia e prevê a criação de 70 mil vagas na rede de educação profissional até o ano de 2011, ampliando de 38 para 100 municípios contemplados com o ensino profissionalizante.

Especialista em Ciência Políticas e em Relações do Trabalho, o economista Márcio Pochman elogiou a iniciativa do governo da Bahia e destacou a importância de um programa que reconheça o protagonismo juvenil. “A juventude não é mais um ritual de passagem. O jovem de hoje é um portador de direitos”, coloca Pochman quando analisa, por exemplo, a constituição de 1988 que avança nos direitos da criança e do adolescente, mas não contempla a temática juvenil. Para Pochman, o principal mérito do programa, que ainda não tem nome definido, é a decisão de atingir os 26 territórios de identidade do Estado, considerando as vocações econômicas de cada região.

A Bahia foi o único Estado do país que optou em fazer plenárias territoriais durante a Conferência de Juventude, o que segundo o secretário de Relações Institucionais, Rui Costa, foi decisivo para a elaboração de um programa que tivesse de acordo com a realidade da juventude baiana. “A participação direta de mais de 12 mil jovens de todos os territórios do Estado nos dá a certeza que a melhor maneira de construir as políticas públicas é em parceria com os sujeitos dessas políticas”, destacou o secretário, lembrando que os problemas apontados pelos jovens estão condizentes com a realidade do Estado.

O programa vai ser executado pela Superintendência de Educação Profissional da Secretaria de Educação com investimentos que podem ultrapassar, segundo o superintendente Antônio Almerico, R$ 80 milhões de reais em ações integradas de trabalho, educação e desenvolvimento. Além do programa para a juventude, o governo do Estado discute através de um grupo de trabalho, o Conselho Estadual de Juventude e um plano estadual que vai orientar as ações de Estado nos próximos dez anos.