Com a assinatura de ordens de serviço e de convênios para a realização de diversas obras e ações em benefício de municípios do Recôncavo e da Região Metropolitana de Salvador, o governador Jaques Wagner cumpriu o ritual da transferência do Governo do Estado para Cachoeira, nesta quarta-feira (25), em comemoração ao 25 de Junho de 1822, quando os municípios da região se rebelaram contra o domínio português e deram início às lutas pela Independência da Bahia.

“Esta é a melhor homenagem que nós poderíamos fazer aos heróis que lutaram pela Independência da Bahia e do Brasil”, disse o governador, sobre a transferência da sede do governo Cachoeira, no dia 25 de Junho. Ele destacou o simbolismo da mudança e criticou os governos anteriores, que não tiveram a sensibilidade de perceber a importância de lutar para que Cachoeira e São Félix sejam declaradas Patrimônio da Humanidade – um dos atos assinados na cidade.

A solenidade começou pela manhã, com o hasteamento das bandeiras do Brasil, da Bahia e de Cachoeira, depois de o governador passar em revista a tropa da Polícia Militar. Em seguida, acompanhado de secretários estaduais, dirigentes de órgãos públicos, do prefeito de Cachoeira, Fernando Antonio da Silva Pereira (Tato), do presidente da Assembléia Legislativa, deputado Marcelo Nilo, e do ministro interino da Cultura, Juca Ferreira, ele se dirigiu à igreja matriz para a cerimônia do Te Deum, celebrada pelo arcebispo primaz do Brasil, Dom Geraldo Majella Agnelo.

Antes da instalação solene do Governo, no Centro de Convenções do conjunto do Carmo, o governador recebeu um grupo de representantes de Terreiros de Candomblé, acompanhado do secretário estadual da Promoção da Igualdade, Luiz Alberto.

O governo foi instalado oficialmente com a execução do Hino ao 2 de Julho, na presença de deputados federais, reitores de universidades federais e estaduais, secretários de Estado, o gerente nacional de Comunicação da Petrobras, Wilson Santarosa, representando o presidente José Sérgio Gabrielli, prefeitos dos municípios que participaram com tropas da guerra de Independência da Bahia e representantes da sociedade civil cachoeirana.

Recuperação de estradas

Foram assinados convênios, acordos de cooperação técnica e autorizações para execução de obras nas áreas de saneamento, cultura, turismo e infra-estrutura. No setor de infra-estrutura foi autorizada a recuperação de 231,4 km de estradas, e a execução do projeto de implantação da rede de distribuição subterrânea de energia elétrica na cidade de Cachoeira.

A assinatura dos convênios e atos foi presidida por uma Mesa de Honra, formada pelo governador e prefeitos dos municípios que compuseram a primeira Junta Governativa do Recôncavo, em 1822: Cachoeira, Santo Amaro, São Francisco do Conde, Maragogipe, Pedrão e Jaguaripe.

A Petrobras será parceira do Governo do Estado na restauração de diversas rodovias que cortam o Recôncavo e na implantação da rede subterrânea de distribuição de energia elétrica em Cachoeira, que substituirá a atual rede aérea. O governador assinou ordens de serviço para implantação e ampliação de redes de esgotos nos municípios do Recôncavo, além de acordos de cooperação técnica, entre eles os que vão viabilizar a implantação do Centro Cultural da Irmandade da Boa Morte e a elaboração de um dossiê das candidaturas de Cachoeira e São Félix como Patrimônio da Humanidade.

Na parte da tarde, uma sessão solene na Câmara Municipal de Cachoeira comemorou o 25 de Junho, tendo como oradores o vereador Wilson Lago, a deputada federal Lídice da Mata e o governador. Wagner se comprometeu em avaliar, junto com o Ministério da Cultura, a situação da ponte rodoferroviária Dom Pedro II, que liga Cachoeira e São Félix. Encerrando os festejos, desfilaram tropas das Forças Armadas, Polícia Militar, bandas e fanfarras de colégios de municípios do Recôncavo.