O lançamento da etapa 2008 do Programa de Fortalecimento da Atividade Empresarial (Progredir) reuniu, nesta quinta-feira (19) representantes de Arranjos Produtivos Locais (APL), do Governo do Estado e de outras instituições. Lançado pelo governador Jaques Wagner, o Progredir tem o objetivo de ampliar a competitividade de micro, pequenas e médias empresas de diversos segmentos produtivos por meio da cooperação em todo o estado.

Na ocasião, foi assinada também ordem para a contratação dos projetos estruturantes dos Arranjos Produtivos Locais (APL) de Tecnologia da Informação (TI) e de Confecções.

No Projeto Estruturante do APL de TI serão investidos inicialmente mais de R$ 2 milhões. Já no APL de Confecções serão aplicados aproximadamente R$ 2,8 milhões. Dentre outras ações, os recursos vão permitir a qualificação da gestão empresarial em TI e Confecções, por meio de um curso superior de formação gerencial, especificamente para empresários das duas áreas, além da instalação, em Salvador e Feira de Santana, de um Centro de Design para atender o setor de confecções.

Recursos

O Progredir prevê um investimento de US$ 16,6 milhões ao longo de 30 meses, provenientes do próprio Estado e de parceiros (40%) e o restante (60%) por meio de empréstimo junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). São beneficiados pela iniciativa 11 arranjos produtivos: tecnologia da informação; transformação plástica; confecções; fruticultura; cadeia de fornecedores automotivos; turismo; piscicultura; derivados da cana-de-açúcar; rochas ornamentais; sisal; e ovino- caprinocultura.

Segundo o ovino-caprinocultor Hélcio Alves, da região de Senhor do Bonfim, o evento aproxima os interesses dos produtores e do governo. “Não podemos mais criar os animais como era feito há 10, 20, 30 anos atrás. O mercado hoje é exigente e requer produtos diferenciados”, observou. Para ele, o Progredir vai proporcionar a tecnologia e a modernização necessárias para este tipo de produção. “Nós só temos a ganhar com isso”, ressalta Alves.

O superintendente do Sebrae, Edival Passos, avalia que a grande virtude do Progredir é justamente isso que espera Hélcio, já que os pequenos produtores passam a ter acesso a novas tecnologias para competir com produtos de empresas maiores. “Além disso, na medida em que eles vão se afirmando, tendo resultados positivos, estimulam um conjunto de outras atividades econômicas que vão se agrupando, tendo longa vida e ganhando fatias dos mercados”, observa o superintendente.

Interiorização da tecnologia

As 11 APLs alcançadas pelo programa, segundo o secretário de Ciências, Tecnologia e Inovação, Ildes Ferreira, vão beneficiar produtores de quase 60 cidades de todos as regiões da Bahia. “Essa é uma tentativa de se interiorizar o conhecimento e a inovação tecnológica”, declarou. Ferreira afirmou que quando os empresários modernizam seus métodos de produção e gestão, passam a ter mais capacidade competitiva nos mercados local, nacional e internacional “Os produtores ganham mais dinheiro e o Estado tem maior arrecadação”, afirma.

Wagner declarou que “os verdadeiros heróis da economia são os micro e pequeno empresários, que enfrentam um mercado desigual”. Por isso, segundo o governador, é preciso que o Estado seja parceiro no financiamento, na capacitação técnica e tecnológica e no incentivo à exportação. “As grandes empresas sabem chegar lá fora. O difícil é dar acesso aos pequenos produtores”, argumenta o governador.

Segundo Wagner, os pequenos empresários não têm capacidade de investimento em pesquisas. “Eles não têm como saber produzir melhor, como aproveitar melhor seu produto se não criamos essa oportunidade. E são eles que movimentam a roda da economia e que fizeram a Bahia ficar em primeiro lugar, nos meses de abril e maio, na geração de empregos com carteira assinada”, afirma.