Representantes de diversos setores da sociedade estão fazendo questionamentos aos debatedores da 1ª Conferência de Comunicação Social da Bahia, no teatro do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb). A regionalização da produção, que propiciará a presença diversificada de culturas e sotaques nas tevês e rádios do país, e o controle social dos meios de comunicação são alguns dos temas abordados.

O secretário-executivo de Comunicação Social da Presidência da República, Ottoni Fernandes Junior, criticou os excessos e a parcialidade de alguns meios de comunicação, mas se declarou contrário a qualquer tipo de controle, principalmente por intermédio das verbas publicitárias. A diretora do Coletivo Brasil de Comunicação Social (Intervozes), Bia Barbosa, afirmou que controle social não é censura. "Não se pode confundir uma coisa com outra e também não se pode reduzir a participação da sociedade à seção de cartas dos leitores", defendeu. O assessor geral de Comunicação Social do Governo do Estado, Robinson Almeida, disse que o único controle existente atualmente é o do poder econômico.

Encerrando a cerimônia de abertura, Robinson Almeida afirmou que a conferência estadual já faz parte do calendário e vai tirar delegados à conferência nacional.