Com a expectativa de gerar mais de R$ 210 milhões em negócios e uma área comercializada 30% maior do que o evento passado, a Bahia Farm Show – Feira de Tecnologia Agrícola e Negócios – vai movimentar a economia do oeste baiano e atrair investidores de vários estados e países.

O evento começa nesta terça-feira (3) e prossegue até sábado (7), no município de Luís Eduardo Magalhães, devendo reunir cerca de 25 mil visitantes e mais de 150 expositores num espaço de 200 hectares.

Essa importante vitrine do agronegócio nacional tem o apoio e a participação do Governo do Estado, por meio das secretarias da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), da Indústria, Comércio e Mineração (Sicm) e de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh).

As secretarias e órgãos do estado estarão representados num estande institucional em forma de usina de processamento de biocombustível. Dessa maneira, o governo dará ênfase à apresentação do programa e às ações de incentivo à produção de combustíveis renováveis, principalmente no oeste do estado.

“A região é promissora no desenvolvimento desta atividade e tem sempre solicitado da Seagri incentivos para aumentar a produtividade e à logística de escoamento da produção”, declara o superintendente de Desenvolvimento de Política Agrícola, Eujácio Simões, que está otimista com a construção da rodovia Oeste-Leste, ligando o município de Luís Eduardo ao Porto Sul de Ilhéus, por acreditar no equacionamento do problema.

Simões pontuou a possibilidade de atrair novos investimentos durante a feira, agora organizada pelos produtores da região. “O governo apóia essa iniciativa e aposta na mudança, que vai fortalecer ainda mais a economia do estado. A expectativa é a melhor possível”, enfatizou.

Na última edição, quando ainda se chamava AgriShow, a parceria com a Seagri resultou em importantes atrações de investimentos para a região oeste, a exemplo da implantação de uma usina de beneficiamento de algodão no complexo industrial Xingu-Agri, em São Desidério e Correntina. A pretensão é de ser a maior da América Latina, com capacidade de processamento de 81 metros quadrados de algodão em pluma.

A expectativa do evento é lastreada pelos bons números da safra na região, cuja produção total de grãos e outras culturas deve alcançar a marca de 5,3 milhões de toneladas ao final do ciclo 2007/2008 – um crescimento de 15% em relação à última safra. O oeste baiano também conquistou, recentemente, novo recorde de produção e produtividade de soja, com 2,838 toneladas e 50,6 sacas por hectare, respectivamente.

Outras atrações

Além da área de biocombustíveis, o Governo do Estado, por intermédio da Seagri, vai contar com a participação da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) e Agência de Defesa de Agropecuária da Bahia (Adab).
Durante a feira, a EBDA, que detém um papel fundamental no desenvolvimento agropecuário local, apresentará publicações e demonstração de produtos e de resultados ods principais programas, projetos e serviços, além das propostas da empresa voltadas para o desenvolvimento da região.

Também serão demonstradas, as ações de pesquisa e programa de Assistência Técnica Rural (Ater) para que o público visitante identifique o que mais se adapte à sua realidade e perceba o processo de intervenção da empresa no desenvolvimento das cadeias produtivas da agricultura regional e a sua preocupação com a preservação do meio ambiente.

A Adab divulgará resultados do Projeto Campo Limpo, que desenvolve a conscientização dos produtores da região para o recolhimento de embalagens vazias, além de informar sobre os novos postos de coleta no estado. No espaço, será montado um protótipo da unidade de recebimento para facilitar uma melhor compreensão de todo o processo de recolhimento e destinação final das embalagens de agrotóxicos. Os produtores da região conquistaram o primeiro lugar em recolhimento no Brasil pela central de Barreiras.

Também será divulgado o Programa Estratégico de Manejo da Ferrugem Asiática da Soja, disponibilizando para os visitantes no estande um mini-laboratório para análise das folhas da soja e facilitar a detecção de sintomas da doença com a ajuda de microscópios.