Gestores e técnicos de arquivos participaram do Curso de Gestão da Informação Aplicada aos Arquivos Municipais, realizado pela Fundação Pedro Calmon entre os dias 16 e 18 deste mês no Palácio Rio Branco, em Salvador.

Representantes de municípios como Camaçari, Lauro de Freitas, Castro Alves, Cruz das Almas, Mata de São João, São Francisco do Conde, Itaparica, Vera Cruz, Serrinha, Ibicaraí e Salvador e de instituições como Associação Cultural de Preservação do Patrimônio Bantu, Corpo de Bombeiros, Sindicato dos Rodoviários, Associação Baiana de Imprensa, Irmandade da Boa Morte e Irmandade do Rosário dos Pretos, entre outras, também enviaram colaboradores para o treinamento.

Segundo a coordenadora de Arquivos Municipais da Fundação Pedro Calmon, Lígia Santana, o objetivo do curso é despertar nos gestores públicos a importância da preservação da memória em sua cidade, além de divulgar as técnicas para realizá-la. “É uma oportunidade de propagar as normas de arquivo e procedimentos de higienização e guarda dos documentos, para que eles sejam disponibilizados ao público”, conta Santana.

Para o estudante de História da cidade de Castro Alves, Jilmar de Jesus Gusmão, 28 anos, essa iniciativa da Fundação Pedro Calmon é importante, “por ser pensada para todos os municípios, e não apenas para Salvador, como acontecia no passado”.
Divanita Pimentel Araújo, 49 anos, de Serrinha, observou que o curso foi além do que esperava. “Não tinha noção do que seria. Pensei apenas que arquivo fosse arrumar uma estante. Mas fui contagiada pelo amor à história da minha cidade e pela preservação dos seus documentos”, afirma.

Arnaldo Braga, de Cruz das Almas, disse que não vê a hora de implantar o arquivo em sua cidade. “O meu município tem 109 anos de história. Já iniciamos esse processo de arquivamento de forma leiga, mas agora tenho instrução de classificação, de análise de arquivamento”, destaca.